Maiorias fortes, alternativas e governabilidade

Uma vez que os partidos em Portugal não têm maturidade para fazer coligações, como acontece em tantos países europeus, começo a pensar que temos que mudar a Constituição para garantir a governabilidade.
Sugiro estes 3 pontos:
1) diminuir o Parlamento de 230 para 201 deputados;
2) um grupo de 100 deputados seria eleito por círculos eleitorais com um máximo de 10 deputados;
3) os outros 101 lugares seriam eleitos por circulo uninominal.

Assim haveria maiores condições de governabilidade e formar-se-iam claras maiorias de alternância e alternativa ao poder.

Nada disto seria necessário se as direcções dos partidos pensassem no país e não apenas na sua estratégia de sobrevivência.

Comentários

e-pá! disse…
Em Portugal, a "fabricação de maiorias artificiais" conduziu, no passado, ao caciquismo, essencialmente, rural - onde a dependência económica, a fragilidade política, as benesses e o analfabetismo, grassavam.
Hoje, a um "novo" caciquismo rural (as condições são outras...) acrescentaria a demagogia urbana.

Isto é, com esta miscelânea de caciquismo e populismo corriamos o risco de acrescentar às nossas vicissitudes a perda de coesão política nacional.
OS deputados devem continuar a ser deputados da Républica!

É estar atento à mais recente deriva política do Dr. Alberto João - depois das Legislativas...

Mensagens populares deste blogue

Insurreição judicial

Cavaco Silva – O bilioso de Boliqueime