Irão – O ataque aos Guardas da Revolução

Por que motivo não senti a mínima pena ou o mais leve desgosto pelo atentado contra a elite militar de Teerão? Como Guerra Junqueiro, perante o regicídio, “lamento de olhos enxutos a execução” e há, nesta citação contida, uma dissimulação porque senti no feito impiedoso, na demência suicida dos algozes, a execução de uma sentença.

Não vou ao ponto de sentir aquela euforia imbecil que percorreu a rua islâmica quando as Torres de Nova York foram derrubadas. Não sinto aquele regozijo fanático com que na Idade Média se assistia ao churrasco dos hereges ou, ainda agora, nas teocracias se delira com a lapidação de uma adúltera, mas aceito que os agentes do terror teocrático mereçam prematuramente as setenta virgens que os suicidas lhes destinaram, apesar da minha aversão à pena de morte.

Tenho, pelos Guardas iranianos, o mesmo afecto que dispensava à PIDE e o asco que ainda guardo de Rosa Casaco. Sei que uma pessoa de bem não deve confessar regozijo pelo atentado a Carrero Blanco, à saída da missa, bem rezado e comungado, ou pelo feito heróico da cadeira que puniu Salazar, mas os estados de alma não são fruto da razão nem os biltres que amordaçam o povo, intoxicados por um livro, merecem compaixão.

Não percebo, aliás, que uma certa esquerda europeia defenda um multiculturalismo em que a opressão da mulher possa ser enquadrada numa tradição cultural, ou transija com a poligamia, sem que a poliandria goze de igual direito. Há parâmetros que diferenciam a civilização da barbárie e não são as normas do Corão, da Bíblia ou da Tora que podem servir de padrão civilizacional.

A escalada agressiva das Igrejas, o proselitismo doentio e a desvairada obsessão de cada religião a impor o seu deus privativo, aos crentes de outro deus ou a quem o dispensa, é um retrocesso civilizacional perigoso.

Pobre Europa, se esquecer o sangue vertido nas guerras religiosas e renegar a laicidade para agradar ao Papa ou aquietar o ódio pregado nas mesquitas.

Ponte Europa / Sorumbático

Comentários

Maria C disse…
Obrigada pela clareza, desassombro e acuidade do artigo. Não poderia traduzir melhor o que eu - e tantos outros - pensam.
Meu caro Esperança
Partilho do teu desafecto pelos Pasdarans, ou pardalões, ou lá o que são.
Desde que me não peças que aprecie os eminentes e civilizadíssimos pulhas que há muito tempo governam a América e destroem o mundo, Irão incluído.
E, claro, continuarão a destruir, enquanto... não sei bem o quê.
Agora vou ler o teu poste inteiro.
andrepereira disse…
Esperança. Sou mais politicamente correcto e mantenho um discurso de pacifista, embora não tonto. Isto é, acredito na guerra justa e nas operações militares ao serviço da paz. Um atentado terrorista contra um Estado terrorista não me alegra. Até porque os mortos são meros operacionais, rapidamente substituídos por outros rapazes famintos e sem perspectivas que se alistam em qualquer exército que lhes dê pão, cama e prestígio perante o seu espelho.
Concordo contigo quanto atacas uma certa esquerda europeia que se deixou desnortear, que perdeu a razão e o caminho da rectidão e se deixa embalar no canto da sereia do multiculturalismo que afoga o indivíduo para promover paixões e desvarios de grupelhos, de religiões e a dominação pela família, pelo grupo social ou pela paróquia/ irmandade/ escolas corânicas, etc.
Temos que nos manter atentos e preservar uma Europa de paz e racionalidade, de tolerância e ciência e construir um mundo mais belo, sem o obscurantismo e as tiranias que ainda dominam o Irão, o Afeganistão e se instalam no Paquistão.
Anónimo disse…
Alguém acredita que o 11/9 foi obra de islamicos??? Alguém acredita em Pai Natal?? Coelho da Pascoa??? Loch Ness ???
Anónimo disse…
Alguem acredita que o Iran é malvado e terrivel?? Olha eu acredito mais na aparição da Deusa Venus!!
Morcego disse…
Confesso que não estava preparado para ler aqui uma tão clara apologia da pena de morte, em certas circunstâncias. Compreendo o "regozijo" pela morte de quem tão mal faz à (nossa) civilização, mas devemos perceber que isso é abrir a caixa de pandora: o meu/nosso paradigma de civilização não é igual ao de outros.
Saddam foi um facínora. Viva quem deu conta dele!
Morcego:

Ou leu mal ou está de má fé.

Para defender o assassinato de Saddam e a invasão do Iraque não precisava de usar o meu post como pretexto.
Anónimo disse…
Saddam virou "biltre" quando se atreveu a invadir o Kuwait, protetorado dos EUA

Mensagens populares deste blogue

Cavaco Silva – O bilioso de Boliqueime