Obama e o conflito israelo-palestino

Palestina - fronteiras de 1967

Obama defende Palestina desmilitarizada com fronteiras 1967




O Presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, defendeu hoje que as fronteiras de Israel e de um futuro Estado palestiniano devem basear-se nas de 1967 e que a Palestina independente não deve ser militarizada.
“As fronteiras de Israel e da Palestina devem basear-se nas delimitações de 1967 com mudanças apenas se as duas partes estiverem de acordo para garantir que haverá fronteiras seguras e reconhecidas pelos dois Estados", defendeu Obama num discurso sobre o Médio Oriente, feito a partir do Departamento de Estado. "A retirada completa e gradual das forças militares israelitas deve ser coordenada com a ideia de responsabilidade de segurança palestiniana num Estado soberano e não militarizado”, afirmou ainda o presidente. link

Será, porventura, a mais profunda inflexão da política externa americana para o Médio Oriente. Mas tal facto não é premonitório de uma Paz ao alcance da mão.
Faltam limar muitas arestas. Uma delas é a tal ideia de “responsabilidade de segurança palestiniana num estado soberano e não militarizado”. Na verdade, não parece fácil entender-se a segurança de um Estado Palestino sem que existe um espaço global desmilitarizado. Isto é, a desmilitarização não deve incidir só sobre a Palestina mas sim abarcar toda esta martirizada região. Israel, nome da sua segurança, dificilmente aceitará esta condição. Por outro lado, o reconhecimento de um Estado Palestino soberano implica reciprocidade, ou seja, a aceitação, por parte do Hamas, do Estado de Israel.
A implementação da resolução 242 da ONU (1967 borders) remetendo a delimitação dos dois Estados para as fronteiras de 1967 é um recuo americano para posições mais consentâneas com as perturbações históricas desta região e de certa maneira “apaga” anteriores decisões onde a Administração americana esteve envolvida [Camp David, 1978 e Oslo, 2001]. Israel dificilmente aceitará esta proposta de delimitação. Ela significa para os israelitas ignorar a “Guerra dos Seis Dias”, um marco do conflito israelo-palestino e a base de toda a política de "ocupação" do território realizada por Telaviv, nos últimos 50 anos.
Por outro lado, a delimitação de 1967 representa também um problema territorial para os palestinos - persiste o "problema" de Jerusalém - já que o mapa menos polémico seria o de 1946/47.

Há muito por fazer no conflito israelo-palestino. Seria, contudo, displicente ignorar que, ontem, Obama, deu importantes passos no sentido da Paz.

Comentários

A criação pelo anglo-saxão Imperialismo,do Estado de Israel roubando a terra aos palestinos, foi um êrro histórico e êste êrro
parece ser impossível de emendar,
dado que o fanatismo religioso dos Sionistas que se consideram o Povo Eleito de Deus,não permitirá nunca
que a Terra da Promissão lhes seja
retirada.Uma Palestina para todos
os semitas viverem em Paz,só será
viável se os seus habitantes se
libertarem da Religião e de boa vontade optarem por uma Rèpública
Federada laica,com dois Cantões,um hebreu ou judeu e outro,árabe.Mas
sem Exército mas apenas Polícia. E fazer de Jerusalém uma cidade internacional e ali instalar a Sede da ONU.E a Religião não se
intrometer na Política nem em manifestações públicas,limitar-se
às Sinagogas,Mesquitas e Igrejas.
Os judeus que estão espalhados por todo o Mundo,deviam ser as pessoas
mais internacionalistas do que quaisquer outras e se não fôra a Religião seria possível uma Palestina para todos.É claro que há
outro aspecto a considerar que impede a unificação,que é o facto de Israel ser a Ponta de lança do anglo-saxão Imperialismo ali no Médio Oriente e uma Palestina neutral,não convém ao Tio Sam mafioso e flibusteiro que pretende ser o Polícia do Mundo inteiro.
e-pá! disse…
Apostilha:

"O primeiro-ministro de Israel rejeitou a proposta de Barack Obama de um estado palestiniano com fronteiras anteriores à guerra de 1967. Netanyahu disse que as novas fronteiras de Israel seriam “impossíveis de defender”…. link
A Paz no Médio Oriente não pode estar sujeita a visões unilaterais e sectárias como as exprimidas pelo 1º. Ministro israelita.
Se Netanyahu teme pela segurança das fronteiras israelitas que dirão os palestinos que na “concepção Obama” deverão ser um Estado desmilitarizado?

Mensagens populares deste blogue

Nigéria – O Islão é pacífico…

A ânsia do poder e o oportunismo mórbido

Macron e a ‘primeira-dama': uma ‘majestática’ deriva …