Momento de Poesia


Para além do Universo…

Descobri num alfarrabista
os decretos de Deus 
sobre as leis do Universo
Eu sou o zero, o ponto de partida 
onde começa a longa viagem
para o infinitamente grande
e para o infinitamente pequeno.
Depois, não há mais nada,
porque o nada não existe.
Ficou-me a ideia de um vazio,
uma brancura infinita a cegar-me os olhos
...

Nem luz havia para me despertar a mente
e sentir o dia,  que não era dia,
pois não havia tempo nem espaço,
era apenas o caos da energia
que sobrou do primeiro instante,
e que por ali ficou esquecida.

Alexandre de Castro


Lisboa, Novembro de 2013

Comentários

Mensagens populares deste blogue

O último pio das aves que já não levantam voo

Cavaco Silva, paladino da liberdade

A ânsia do poder e o oportunismo mórbido