Um juiz que ignora a língua e gosta de protagonismo

«…nos tribunais, pelo menos neste, os factos não são fatos, as actas não são uma forma do verbo atar, os cágados continuam a ser animais e não algo malcheiroso e a Língua Portuguesa permanece inalterada até ordem em contrário'». (dos jornais)

Não interessa escarafunchar o passado deste cidadão que, depois de ter sido acusado por um acórdão da Relação, de ter cometido «erros grosseiros» num processo, acabou com a classificação profissional máxima.

Está em causa julgar o que não lhe compete, impor o que não pode e comportar-se como não deve, acrescido de alguma ignorância e de maior prepotência para com as entidades que escrevem segundo o Acordo Ortográfico onde, como se vê pela amostra, é inculto.

Dos três exemplos que exibiu, manifestou a mais cabal ignorância em dois deles e, no outro, tomou por predicado o que só podia ser sujeito. Deixando, pois o substantivo «atas» ou «actas», como tem o direito de escrever e não de impor, o zeloso guardião parece desconhecer que os factos continuam «factos», só para o contrariar, a menos que goste de os alterar para ter razão, e os cágados só cheiram mal se gorem grafados como julga, isto é, na sua escrita, onde julga grave uma palavra esdrúxula ou proparoxítona.

Umas aulas de português não fariam mal ao filólogo apressado que ninguém contrataria para dar explicações de português embora tivesse a arrogância de ensinar que na «língua portuguesa» o substantivo e o adjetivo se escrevem com letra maiúscula, como o fez num infeliz despacho.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

O último pio das aves que já não levantam voo

Cavaco Silva, paladino da liberdade

Efeméride – 30 de outubro de 1975