Os pequenos pecados não levam ao Inferno mas não conduzem ao Paraíso.

Insistirei no respeito que me merece o antigo PR, Ramalho Eanes. Continuo a ver nele o cidadão honrado e um homem de carácter. Aprecio-lhe o despojamento, raro nos atuais governantes, e uma coerência que nem os apoios à eleição de Cavaco Silva e ao candidato do PS à Câmara de Cascais, João Cordeiro, beliscaram.

Porque o aprecio, sou mais exigente. Lamento que Ramalho Eanes, em 12 de novembro, tivesse afirmado que discordava da data (25 de novembro) agendada para a homenagem que lhe era destinada; que na última quarta-feira tenha dito ao Expresso que não estaria presente na homenagem; que agora resolva comparecer para “não ser deselegante com as pessoas que estão envolvidas na preparação deste evento».

Eanes sabe que empresta o seu nome honrado ao aproveitamento de muitos que o não são e que aliena uma parte dos que o admiram. Sabe que divide o campo democrático e os militares de Abril. Resolveu pedalar a bicicleta da mulher e apertar o cilício do Opus Dei.

Bom fim de semana, general. Tal como Otelo, com outra dimensão afetiva, também tem direito à sua asneira. Depois, não se admire se ouvir algum viva a Salazar.

Comentários

TesteOuteiro disse…
Ou quem sabe um novo PRD...
TesteOuteiro:

Ficámos vacinados.
Mas que porra de pecha deu na fruta indígena!
Não se abre um buraquinho donde não saia minhoca!
E era tão simples, só, ficar quietinho!

Mensagens populares deste blogue

A ânsia do poder e o oportunismo mórbido

Nigéria – O Islão é pacífico…

Macron e a ‘primeira-dama': uma ‘majestática’ deriva …