O Governo, a choldra e o maio de 68

Em maio de 1968, no alvoroço da contestação, surgiu um slogan onde a premonição e a fantasia se conjugaram: «Quem sabe, faz; quem não sabe, ensina».

Que melhor síntese poderia classificar a fuga de Durão Barroso, quando, incompetente para remodelar o seu governo, que se desfazia, emigrou para Bruxelas!?

Os relevantes serviços prestados à divulgação das armas químicas, de Saddam Hussein, e a eficácia do catering que assegurou a Bush, Blair e Aznar, nos Açores, fizeram dele o presidente da Comissão Europeia, donde ensina aos países, nomeadamente a Portugal, como se devem comportar os seus governos e os Tribunais.

Agora, enquanto uns serventuários lhe preparam o terreno para concorrer à presidência da República, em Portugal, vai nomeando extremistas liberais falhados para o órgão a que falta legitimidade democrática.

O ex-ministro das Finanças, Vítor Gaspar, depois de afirmar o seu fracasso no Governo português, vai presidir ao Grupo de Alto Nível para a Tributação da Economia Digital, grupo, ou bando, em formação que «terá a missão de apoiar a Comissão Europeia, presidida por Barroso, no desenvolvimento de uma política fiscal para aquele sector».

Depois do fracasso a governar, Vítor Gaspar vai ensinar. Tal como Durão Barroso.

Comentários

Agostinho disse…
«Quem sabe, faz; quem não sabe, ensina». A triste realidade que nos tolhe.
O nosso atual, aos passinhos, cuida que o fugitivo lhe salva a "enrascada" nos bastidores de Bruxelas. Bem pode esperar porque ele foi posto lá com a garantia de nada fazer. Por outro lado, o dos passinhos tem um currículo impressionante para abraçar a vocação de nada fazer: um lugarzito em Bruxelas,Estrasburgo, Frankfurt, Luxemburgo ou Haia. Tanto faz. Para ganhar a reforma, também pode ser nomeado administrador de umas quantas administrações. Não executivo, é bom de ver.

Mensagens populares deste blogue

O último pio das aves que já não levantam voo

Cavaco Silva, paladino da liberdade

Efeméride – 30 de outubro de 1975