Não me venham com esses argumentos…

Estou farto de que me rebatam com as agressões imperialistas a países islâmicos, com o saque de que são vítimas, as malfeitorias dos EUA e de Israel, a cumplicidade europeia e muito mais, para tolerar uma ideologia totalitária e criminosa – o Islão político.

Tenho denunciado esses crimes, mas não os aceito como argumentos para um cómodo silêncio sobre o mais implacável dos monoteísmos e a sua demencial fúria prosélita.

Aliás, gosto da Constituição dos EUA e em Israel aprecio a igualdade de género que não existe em nenhuma outra teocracia, seja o Vaticano, a teocracia monástica ortodoxa do Monte Athos e as islâmicas e não preciso de censurar tais países para denunciar o perigo muçulmano.

Exijo a todas os devotos o respeito pela laicidade. Sei da História o suficiente para ter o dever de combater a influência das religiões nos aparelhos de Estado, num regresso em que o oportunismo dos políticos europeus trai a laicidade e compromete a democracia.

Há um maniqueísmo intolerável que leva pessoas de esquerda a conformarem-se com a deriva totalitária do Islão, leviandade e masoquismo de quem vê amigos nos inimigos dos seus inimigos e cala atrocidades contra inocentes, os tiques patriarcais, a violência tribal e a eterna humilhação da mulher.

O dever que a Europa tem de receber refugiados é incompatível com a condescendência no desprezo pelo seu ethos civilizacional. Os direitos humanos, a igualdade de género e a liberdade de expressão não podem ficar à mercê de idiossincrasias religiosas.

A Europa, depois de derramado demasiado sangue, conquistou o direito às crenças, não-crenças e anti-crenças, através da repressão ao clero. Não pode agora consentir crimes, chantagem ou violência de qualquer religião, sob pena de permitir retaliações de outras, autóctones, numa espiral de violência que foi apanágio de épocas passadas.

Proteger os crentes não é aceitar as crenças. O Islão político e os dignitários devem estar sob vigilância, para não sermos imolados, e, em vez de combatermos as crenças, sermos obrigados a enfrentar os crentes.

O ressurgimento de um catolicismo agressivo, ligado a partidos fascizantes, já anda aí a governar na Europa, em vários países, talvez vingando a indiferença com que deixamos bramir ulemás, xeques, mulás e outros marginais, contra os infiéis, na conceção desses trogloditas, homens e mulheres cosmopolitas e livres-pensadores. Nós.

Ponte Europa / Sorumbático 

Comentários

Monteiro disse…
Li que na China os muçulmanos têm de ser muçulmanos com características chinesas e obedecendo a certas regras que lhe são impostas pela sociedade. A Igreja Católica tem oferecido alguma resistência a essas características pelo que as negociações com o Vaticano continuam.
Julio disse…
A religião é sempre uma árvore venenosa de fruto tóxico a destruir.
Destrói-se pela educação, não por armas letais.
Entretanto, o Islamismo - sendo presentemente a árvore mais venenosa do mundo - está a enraizar-se na Europa para um dia provocar outra guerra mundial e extermínio nunca antes visto - minha opinião!
...
Um aparte, aqui:
Em um ano, o Facebook puniu-me com cinco suspensões de membro, as últimas três de um mês cada.
Simplesmente porque debatia agressivamente o Islamismo nos seus grupos religiosos [em Inglês].
Esta plataforma social está presentemente protegendo o Islamismo no seu círculo mundial, não admitindo que a verdade seja declarada quanto à sua origem tenebrosa.
Atenção que Portugal está a ser "evangelizado" por essa religião totalitária, objetivo final a completa submissão ao seu ameaçador credo!







Mensagens populares deste blogue

Os incêndios e a chantagem ao Governo

O último pio das aves que já não levantam voo