O ateísmo e as crenças

Compreende-se a hostilidade dos crentes ao ateísmo, mas é difícil aceitá-la contra os ateus, tal como é intolerável que os ateus visem, em vez das crenças, os crentes, sabendo que estes são as primeiras vítimas.
As acusações mais comuns dos crentes aos ateus, salvo os do islamismo, que pensam logo na decapitação, são três, todas no sentido de fazerem a catarse freudiana dos medos, dúvidas e terrores do inferno que povoam as suas mentes:

1 – A presumida superioridade moral e intelectual ateia, sem que exista ou seja referida.

2 – A referência reiterada a facínoras ateus, Stalin, Mao, Pol Pot e outros, omitindo o cristão Hitler que em «A minha Luta» citava o Génesis deliciado com a violência de Cristo a agredir os Fariseus, referência que procura confundir, e absolver os bispos cristãos, católicos e luteranos, da cumplicidade nazi/fascista.

3 – A afirmação de que há, entre os cristãos, pessoas boas, generosas e beneméritas, como se algum dia os ateus tivessem duvidado ou deixado de admitir a maldade de numerosos ateus.

Há, nas várias religiões, hierarcas merecedores de consideração e respeito pela craveira moral, intelectual e cívica. Há grandes personalidades e pessoas generosas entre os crentes. Ninguém é perfeito.

Mas isso não faz virgem a mãe de Jesus, infalíveis os Papas ou imaculada a conceção de Maria (fertilização in vitro?), nem altera a reputação dos milagres, aparições e exorcismos com que a ICAR ganha a vida e extasia os fiéis.

Os bons atributos dos crentes não tornam verdadeiras as religiões, não expurgam a violência e a crueldade dos livros sagrados nem transubstanciam em corpo e sangue de Cristo o pão e o vinho, sob o efeito de palavras rituais e sinais cabalísticos.

JC deixou a doutrina que justificou a Inquisição, o Índex, a contrarreforma, o genocídio dos ameríndios, dos índios e de todos os que fossem avessos à conversão. Eis a verdade. A ICAR foi o que é hoje o Islão e só se humanizou graças à repressão política sobre o seu clero.

E a cumplicidade nazi/fascista da ICAR? Não há sistema mais totalitário do que a teocracia. Não há religião que não se encoste ao poder quando, de todo, não pode ser ela a detê-lo. Será por acaso que eram católicos Franco, Salazar, Mussolini, Pinochet, Hitler e Pétain e cristãos os coronéis gregos?

Por que motivo a ICAR excomungou a democracia, o socialismo, o livre pensamento, o liberalismo, o comunismo e a maçonaria e nunca excomungou o nazismo? JP2 reiterou a excomunhão ao comunismo, já depois da queda do muro de Berlim, mas nunca fez o mesmo ao nazismo e ao fascismo. E porque recusou o reconhecimento do Estado de Israel até 1993?

Por que preparou o Vaticano a fuga de Adolf Eichmann e outros próceres nazis para os livrar do julgamento de Nuremberga?

Que fez JP2 quando os Hutus católicos do Ruanda massacraram centenas de milhares de Tutsis com a participação ativa do clero no genocídio? Ficou calado e cúmplice. Isto é recente.

Eis a razão:

Os judeus das trancinhas abençoam o assassinato de islamitas, passagens dos Evangelhos justificam a proteção de Pio XII a Adolf Eichmann pelo genocídio cometido contra os deicidas judeus, e os surahs do Corão abençoam o massacre de judeus e cristãos (por esta ordem).

Yavé abençoa a guerra e os guerreiros e promete a destruição total dos palestinianos – a «guerra santa» segundo a expressão do livro de Josué. Jesus mandou «ir e evangelizar», justificando o proselitismo e os horrores de que parcialmente JP2 pediu perdão. Maomé o mais rude e incivilizado recomenda a jihad.

Os ateus são os inimigos comuns a abater pela demência mística dos três monoteísmos.

Comentários

amadeu moura disse…
Atribuiria ainda a JP2 e ao Vaticano o indecoroso papel do reconhecimento e apoio internacional à Indonesia na ocupação de Timor Leste. O Vaticano foi o segundo Estado a reconhecer o invasor logo a seguir à Australia.

Os interesses "diplomaticos" da ICAR falaram mais alto do que os direitos dos catolicos timorenses.
Bem lembrado, Amadeu Moura. Obrigado.

Mensagens populares deste blogue

Os incêndios e a chantagem ao Governo

O último pio das aves que já não levantam voo