Quando minguam as palavras....

(Antes e depois da agressão do marido)
Rania Al-Baz lança biografia na Europa

Rania Al-Baz era uma mulher bonita e bem-sucedida: uma apresentadora de televisão famosa na Arábia Saudita. Depois de espancada pelo marido, precisou passar por 33 cirurgias. Ela contou essa história em um livro.

Comentários

Anónimo disse…
Senhores anónimos:
Saiam das catacumbas do vosso anonimato e enfrentem com coragem a luz do dia para expôr as vossas razões, sem o recurso à linguagem torpe e grosseira, que só vos desonra. Ou será que têm medo da racionalidade e de uma discussão honesta?
Anónimo disse…
A prosápia do comentário anterior não inibe o facto do comentário ser vazio. Alexandre de Castro é um nome que diz muito a todos nós. De anónimo não tem nada.
Se deixar de ser anónimo implica dar dois nomes ao comentário (sem contar com o ''de'') faço-lhe a vontade.
Anónimo disse…
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
Anónimo disse…
Não vislumbro sombra de prosápia nem uma visível e absoluta vacuidade nos meus diversos alertas,lançados aos comentadores anónimos que saturam e conspurcam este espaço de discussão com textos insultuosos, visando o editor do Ponte Europa. Como não percebi o alcance das palavras de José Pedro, por incapacidade interpretativa minha, julgo, não queria ser levado a considerar a hipótese de nos encontrarmos perante uma confissão de culpa dissimulada.
E com esta resposta dou por encerrado este diálogo, que é reconhecidamente marginal em relação à questão essencial do meu comentário - a lisura da linguagem e a boa educação.
Anónimo disse…
Já depois de ter escrito e colocado neste espaço o meu segundo comentário, reparei num outro texto de José Pedro (será pseudónimo?)verruminosamente dirigido a uma comentadora habitual, de nome Ana, que eu não conheço, e, com uma enorme desfaçatez, prognostica-lhe um comentário, baseado numa linha de pensamento expressa em intervenções anteriores. A desonestidade do propósito é evidente.
Não contente com isto, o que já é grave, avança para um processo delatório, descrevendo supostos aspectos da vida privada daquela comentadora, o que revela baixeza de carácter.
Com gente deste quilate é impossível manter qualquer diálogo.
Deve, pois, o editor do Ponte Europa truncar todos os textos desta natureza e não permitir o insulto gratuito nem a devassa da vida privada de alguém. A comentadora Ana merece uma reparação.
Anónimo disse…
Zé Pedro:

O comentário foi apagado pela grosseria em relação a uma leitora.
Anónimo disse…
Para quando um post sobre Hugo Chavez versus o ganda democrata Cisneros e o apoio de gente como o inenarrável Durao Baroso?
Anónimo disse…
O homem espancou porque o homem é o "dono"...
Anónimo disse…
EU
Se tivesse um Blog vedava o acesso a mentecaptos
Anónimo disse…
José Pedro:

Contrariamente a si, conheço o endereço de Alexandre de Castro, um honrado jornalista que assina com o próprio nome os seus artigos. Se andasse mais atento aos jornais já teria dado conta do jornalista que assina regularmente peças há mais de vinte anos.
Apóstolo TDS disse…
É uma honra pra mim ter sido elogiado por você, Carlos, que é uma pessoa tão humana e inteligente.

A bondade é, segundo as Escrituras, um dos frutos do espírito santo (Gálatas 5:22, 23). Sempre temos de cultivar este fruto, bem como também os demais oito restantes.

Porém, embora me sinta honrado com seu elogio, por ter me chamado "bom", Carlos, me sinto na obrigação moral de indicar um ser que é realmente "Bom" e a quem todos nós devemos elogios sempre ▬ é Jeová Deus, veja:

“Elogiai a Jeová dos exércitos, porque Jeová é bom!” — JEREMIAS 33:11.

JEOVÁ DEUS é bom em sentido absoluto. “Quão grande é a sua bondade!”, exclamou o profeta Zacarias. (Zacarias 9:17) Deveras, a bondade se reflete em tudo o que Deus fez ao preparar a Terra para o nosso usufruto. (Gênesis 1:31) Nunca poderemos entender todas as leis complexas que Deus pôs em operação ao criar o Universo. (Eclesiastes 3:11; 8:17) Mas o pouco que sabemos nos motiva a louvar a Deus pela sua bondade.

Mensagens populares deste blogue

Insurreição judicial

Cavaco Silva – O bilioso de Boliqueime