A Portugal Telecom e o País

A PT é o reflexo do País. A empresa emblemática de setor público, precursora de várias inovações, na vanguarda da investigação e desenvolvimento, foi devorada pela ganância dos acionistas e falta de escrúpulos de quem a usou, em aflição, para cobrir desmandos que a Justiça investigará, se puder.

A empresa de telecomunicações, geradora de emprego e de avançada tecnologia acabou ingloriamente em leilão de abutres, perante um Governo que, na ânsia de desmantelar o Estado, a abandonou às mãos do deus comum – o Mercado.

Houve, na plangência do descalabro, uma tal falta de sensibilidade e uma tão obsessiva marca ideológica que nenhum resultado eleitoral é suficiente para julgar os culpados.

A PT era a empresa portuguesa que conquistara mercados do Brasil ao Quénia, de S. Tomé a Timor, de Angola à Hungria, para acabar à mercê de candidatos que a absorvem e descaracterizam.

O apogeu e a queda da PT estão ligados ao antes e depois deste Governo como metáfora do estado a que este Governo conduziu o País.

Comentários

Ana Paula disse…
É isso- infelizmente para nós!
e-pá! disse…
Hoje Rui Tavares publica na última página do jornal Público um interessante artigo sob o título "A destruição de valor".
Aí o ex-deputado europeu e actual dirigente do partido Livre advoga como solução para o colapso da PT no altar dos mercados, a sua imediata nacionalização.
Vai certamente ser acusado de criticar o comportamento deste Governo e não apresentar soluções.
É assim que funciona o 'esquema', ou o 'sistema' (é difícil distinguir entre os dois)...

Mensagens populares deste blogue

O último pio das aves que já não levantam voo

Cavaco Silva, paladino da liberdade

Efeméride – 30 de outubro de 1975