O fascismo existiu na Península Ibérica_1

O fascismo sob a forma de genocídio, gratuito e sinistro, em Espanha, e na versão mais regrada, em Portugal, com apenas alguns assassinatos, muitas torturas, discriminações e prisões, foi a lepra que resistiu à derrota do nazi/fascismo em 8 de maio de 1945.

Os regimes opressivos resistiram porque a guerra fria os alimentou na cruzada contra o comunismo, qual muro que o clero reacionário e as polícias políticas ergueram com a bênção das democracias europeias e do percurso hegemónico dos EUA.

O fascismo teve em Espanha um grotesco general, inculto e soez, que deixou à solta os bandos de assassinos franquistas e se permitiu legar a Espanha a forma de regime e um sucessor educado na Falange, a que a Constituição possível retirou o poder absoluto.

Em Portugal um professor inteligente e reacionário, sem mundo e sem modos, um ex-seminarista amoral, foi o protagonista da ditadura fascista. Do lado de lá da fronteira, esteve um cabo de guerra que preservou até ao fim a pena de morte legal numa das suas formas mais cruéis. Do lado de cá, o mesmo medo, atraso e insegurança dominavam o País, mas, em vez das Forças Armadas, a violência foi entregue às polícias e não houve fuzilamentos em massa nem valas comuns.

Os dois biltres foram algozes, nenhum deles deixou saudades, mas ambos mantêm ainda cúmplices de segunda e terceira geração que precisam de vigilância cívica.

Em comum tiveram a estreiteza de vistas, o conservadorismo do catolicismo de Trento e a presunção de eternizarem as ditaduras.

Se na política se distinguiram pela violência, foi nos costumes que se identificaram num mesmo espírito misógino, na violência contra as mulheres, na fiscalização do vestuário e na subordinação que lhe impuseram em relação ao homem.
Portugal e Espanha tiveram um ignóbil passado comum dentro do fascismo.

Deixo aqui amostras do pensamento ibérico, em castelhano, sobre o papel da mulher, tal como o viam os dois patifes ibéricos, Franco e Salazar.


Comentários

Mensagens populares deste blogue

Vasco Graça Moura

A lista VIP da Autoridade Tributária