Stephen Hawking – A voz da ciência

Aos 76 anos faleceu o mais notável físico contemporâneo, que uniu a cosmologia e a termodinâmica, e se tornou um divulgador extraordinário da ciência.

Sem poder falar foi a voz mais escutada, sem se mover, viajou intensamente e, fazendo ‘bom uso do seu tempo’, escreveu o famoso livro «Breve História do Tempo». Com «Aos Ombros de Gigantes, as Grandes Obras da Física e da Astronomia», «O Fim da Física», «A Natureza do Espaço e do Tempo», «O Universo numa Casca de Noz» e outros, desafiou a espada de Dâmocles que sobre ele pendia e ontem se soltou.

Tudo na vida deste cientista de rara intuição e excecional capacidade intelectual foi um verdadeiro paradoxo. Condenado pela doença, libertou-o a ciência, abandonado pelos músculos, mantiveram-no os neurónios, e não deixou que a debilidade física o reduzisse à inutilidade ou que a razão cedesse às crenças: «Não é necessário invocar Deus para acender o pavio e colocar o universo em movimento»; «Vida além da morte? “Isso é um conto de fadas para pessoas com medo do escuro”. Estudou e fez luz sobre os buracos negros, desafiador, controverso, algumas vezes incoerente, sempre lúcido e carregado de humor.

Amou e foi amado. Fez filhos, escreveu livros, desbravou a ciência, cumpriu-se.

Viveu 44 anos preso a uma cadeira de rodas e 32 a comunicar através de um sintetizador de fala, sem deixar de participar em conferências, investigar, percorrer os caminhos da vida e os da Física, a ensinar.

O universo foi o seu domicílio e as leis da Física a sua religião. Continua a habitar o seu lugar de sempre, fiel à religião que abraçou. Imortal. Ateu.

Comentários

Um excelente percurso de vida - o do grande cientista, Stephen Hawking, que agora nos deixou - e que foi um grande exemplo de coragem e determinação, para todos nós. Perde a Ciência um grande cientista e perde a Humanidade um grande Homem.
Monteiro disse…
Esteve em Lisboa e comeu pasteis de nata

Mensagens populares deste blogue

Vasco Graça Moura

A lista VIP da Autoridade Tributária