Esta direita insaciável e ansiosa

Esta direita tem os jornais, as televisões e a rádio; tem os bombeiros, os incêndios e os incendiários; tem a sofreguidão do poder e a nostalgia do “nosso Ultramar infelizmente perdido”; tem os antigos líderes como comentadores profissionais e a maior parte dos comentadores profissionais como satélites; tem as redes sociais e as redes de corrupção dos autarcas do Norte, que a Visão denunciou e a PGR ignora, mas tem Passos Coelho e Portas, Durão Barroso e Santana Lopes, Assunção Cristas e Nuno Melo, Marta Soares e Marco António. São o seu calcanhar de Aquiles.

Em períodos eleitorais esconde os mais detestáveis e mostra as estrelas da Companhia, que julga perdoadas. Um dia surge Durão Barroso, com o caso da quinta da Falagueira e a aventura iraquiana esquecidas com a atual atividade financeira; depois, surge Cavaco Silva que, à semelhança de Américo Tomás, julga que o povo o ama.

Cavaco, odeia os cravos, pelo menos na lapela, e deve aos militares de Abril tudo o que foi, mas é o salazarismo que o guia e os pides o símbolo do heroísmo que aprecia. segunda-feira, saído da hibernação, surgiu a predizer que Portugal será a lanterna vermelha da Europa, enleado no ódio a este governo, esquecida a cumplicidade com Passos Coelho e Portas.

Este homem cuja memória anda pelas ruas da amargura esquece que a sua ministra da Saúde foi a única governante europeia impune pela compra do sangue contaminado, que colocou no gabinete o irmão Zezé que viajou para a Ásia quando o secretário de Estado, Costa Freire, foi julgado e preso e tem o despudor de acusar este governo da degradação do SNS devida ao governo de Passos e Portas, de que foi cúmplice, e cuja criação teve os votos contra do PSD e CDS.

Cavaco não é um estadista, é um algoritmo mal sequenciado, um depósito de bílis com saliva na comissura dos lábios, a destilar ódio contra a esquerda, que acaba por ajudar, pela repulsa que provoca.

Aliás, a desfaçatez e a falta de memória são a imagem de marca desta direita que resvala para a direita musculada sem precisar de Cavaco, Santana Lopes, André Ventura ou do merceeiro holandês do Pingo Doce.

Basta recordar Paulo Rangel a defender uma lei que tornasse incompatível a advocacia e a atividade parlamentar ☹ ☹ ☹.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Cavaco Silva – O bilioso de Boliqueime

Tunísia – Caminho da democracia ou cemitério da laicidade ?