O perigo para além das ‘matérias perigosas’…


A greve dos motoristas transportadores de matérias perigosas vem mais uma vez demonstrar as fragilidades dos equilíbrios sociais já que perante o ‘inconsciente coletivo’ tem a capacidade de 'assustar' o País.

E existe outro problema que é 'carga histórica'. Todos nos recordamos da greve de camionistas no Chile, em 1972, com uma 2ª. reprise em 1973, quando este País, era governado por Salvador Allende e como, hoje, é possível enquadrar esta luta nas manobras tendentes a derrubar o regime democrático link .
 
Um outro exemplo, mais recente, diz respeito ao Brasil e como, também, esta greve - cujo remoto patrocínio não pode ser dissociado dos proprietários das empresas de camionagem – foi o interlúdio para o assalto dos populistas e protofascistas ao Palácio do Planalto em Brasília.
 
Estamos, portanto, num terreno demasiado movediço. Verdade que estas manifestações de múltiplos grupos profissionais (enfermeiros, professores, militares, etc.) assentam num pressuposto correto: as remunerações de empregados ou funcionários assalariados são extremamente baixas o que demonstra bloqueios da redistribuição da riqueza.
Até aqui estamos todos de acordo. Hoje em dia faz aflorar um sorriso nos lábios dos cidadãos as múltiplas proclamações de ‘convergência com a Europa’ e, de seguida, se comparam salários, a começar pelo ‘salário mínimo’.
Portanto, partir de uma premissa correta (o baixo nível salarial) para uma ação com cariz absolutamente perturbador  – paralisar o País ! – não é tarefa de pouca monta.
 
Na realidade, os movimentos sindicais não podem arriscar-se a promover lutas que venham a colher a animosidade ou a incompreensão da sociedade onde obrigatoriamente estamos (ou deveríamos estar) todos inseridos. A presente greve (é mais uma) que, sendo voluntariosa e seletiva, corre este risco.
 
A evolução futura do movimento sindical é, ainda, um caminho muito pouco discernível. Os primeiros sintomas estão à vista, isto é, verifica-se a fragmentação de sectores profissionais tradicionais à custa de processos de especialização endógenos, fruto da evolução tecnológica. Surgem especialistas por todo o lado que tendem a colocar-se à margem do grosso dos trabalhadores de cada sector e dispostos a reivindicar especificidades de carreira e remuneratórias. Tivemos isso na enfermagem e agora surge o mesmo problema no sector dos transportes onde se encaixavam (até há pouco tempo) os ‘camionistas’.
 
O reconhecimento de condições específicas (quer sejam nas carreiras, nos horários, nas habilitações e na formação) dá origem a um novo tipo de reivindicações. A par desta mudança surgem novos agrupamentos sindicais de constituição recente como é, por exemplo, o Sindicato Nacional de Motoristas de Matérias Perigosas (e já tinha sido de modo idêntico com o Sindicato Democrático dos Enfermeiros) que nasceu há 5 meses. Quer a designação de ‘democrático’ numa situação de normalidade de regime , quer a de ‘nacional’ de inevitável conotação com o famigerado Estado Novo, têm, ambas, um odor pejorativo.
 
A grande novidade é que os ‘especialistas’ sendo naturalmente em número reduzido provam ser capazes de produzir danos consideráveis. Não promovem paralisações, decretam ‘greves cirúrgicas’.
Esta nova fase de reivindicação sindical está a proliferar, em paralelo com a evolução do ‘Mundo do Trabalho’, e torna-se cada vez mais difícil enquadrar institucionalmente numa relação dialética capital/trabalho os múltiplos (e justos) protestos, as reiteradas exigências e os inevitáveis combates, criando-se organismos formalmente sindicados, mas estruturalmente ‘inorgânicos’.
 
Quais os riscos?
 
A resposta do sistema (capitalista) não se fará esperar. Poderemos estar em presença da antecâmara de uma anunciada inoperacionalidade das greves, face a complexos mecanismos de serviços mínimos e de requisições civis.
Todavia, o risco maior será o torpedear (desativar) da Lei da Greve com tantas restrições que tornem o seu exercício folclórico e ineficaz. A acontecer seria – só por si - um enorme retrocesso civilizacional.
 
O que se perfilha no horizonte é um sinuoso caminho para o populismo, alimentado por estas expressões inorgânicas e polarizadas pela Extrema-direita, que não tardará – se alguma vez lograr os seus objetivos – a tratar da supressão do direito à greve. A trajetória histórica, nomeadamente a dos anos 30 do século passado, demonstra-nos cabalmente isso.
 
Serão estas as questões pendentes suscitadas pela presente greve. Significativo também é o ensurdecedor silêncio das duas centrais sindicais nacionais (CGTP e UGT) que, exceto o protesto da FECTRANS, contra a requisição civil, mantêm-se quedas e mudas.
 
A evolução do movimento sindical é incontornável, imperiosa e urgente. Só que o risco de estes novos passos virem, desgarradamente, a ser protagonizados por ‘franco-atiradores’ é um problema sério, não propriamente para o sector grevista em si (especifico), mas para generalidade dos trabalhadores. O imediato pode ser uma grande armadilha.
 
Organizem-se!

Comentários

Manuel Galvão disse…
A unicidade sindical e unidade sindical estiveram na ordem do dia logo após o 25/4. Fez todo o sentido num país que não tinha até então experiência de exercer a liberdade sindical.

Hoje a regra é "cada um para si". As profissões que podem exercer mais mossa fazendo greve são as que estão mais motivadas para ir à luta. Deixou de haver solidariedade sindical.

Isso não é muito grave, desde que esses profissionais estejam francamente diferenciados dos outros, como acontece com os motoristas de transporte de produtos perigosos, os enfermeiros dos blocos operatórios, os técnicos (Eletricistas) que operam a rede nacional de distribuição elétrica ou os controladores aéreos. As greves destes podem ter consequências desproporcionadas na sociedade civil quando comparadas com a mossa que fazem ao patrão.
As suas remunerações e regalias têm que ser diferentes do "grosso da coluna", e os sindicatos também.
A diferenciação deve ser pela formação e esta deve ser controlada por organismos do Estado.
e-pá! disse…
O problema é que a fragmentação profissional (a dita 'especialização') contenta-se com a conquista de condições aparentemente dignas para nichos de 'mercado' (de trabalho), na verdade, uma efémera ilusão e tende a esquecer-se da 'natureza de classe' a que, no esquema que está montado pelo capitalismo, efetivamente, pertencem.

Um dia - quando acordarem - terão a noção de que conquistaram uma mão cheia de nada e que tudo é reversível (ou foi só temporariamente tolerado pelo 'sistema').
A solidariedade entre os trabalhadores é a base do sindicalismo e o cimento onde se consolida a interajuda das força de trabalho que, diariamente, são vendidas a saldo no dito 'mercado de trabalho' (que nenhum governo controla...).

A situação atual vem demostrar como a análise crítica da Economia, assente nas bases marxistas, assenta em princípios válidos.
Será um pouco como as recentes descobertas sobre os 'buracos negros' vieram confirmar a Teoria da Relatividade de Einstein (uma velhíssima teorização com mais de 100 anos)...

Mensagens populares deste blogue

Cavaco Silva – O bilioso de Boliqueime

Tunísia – Caminho da democracia ou cemitério da laicidade ?