Call me Barroso, José Manuel Barroso!

Call me Barroso, José Manuel Barroso!

J.M.D.Barroso não tem tido vida fácil em Bruxelas. Escolhido em ‘petit comité’ dominado pelo Partido Popular, o primeiro-ministro que, à frente de uma coligação de direita, conseguiu a proeza de ter 1/3 dos votos expressos no seu próprio país, recebeu como prémio uma ‘Comissão de Serviço’ por 5 anos em Bruxelas, com a garantia de um regresso em ombros à sua Pátria natal – qual filho pródigo!
Mas afinal havia mais um qualquer pequeno adereço: o seu velho amigo, um bilionário grego com quem lamentavelmente não passava férias há já muitos e muitos anos, finalmente conseguiu convencer o antigo colega José Manuel para uma pausa no Mediterrâneo, naturalmente acompanhado da Senhora sua esposa e seus simpáticos filhos, antes da cansativa e cinzenta ‘estadia’ em Bruxelas.

Estes assuntos da ‘vida privada’ dos ‘grandes líderes’ são agora motivo de interesse não só das revistas cor-de-rosa, mas também dos chamados jornais de referência e mesmo – para grande espanto de quem vive numa democracia em parte dominada pelos caciques corruptos ao nível local e nacional – dos parlamentares europeus!

E não é que querem que o Senhor Presidente da Comissão europeia explique o “como e o porquê” das suas férias?! Um Parlamento a fiscalizar os titulares de cargos executivos? Que estranhos hábitos democráticos têm os ‘europeus’ além-fronteiras. E ameaçam, inclusivamente, com uma moção de censura?!
Vejam: http://www.publico.clix.pt/shownews.asp?id=1223067

Barroso, José Manuel Barroso tem revelado grandes dificuldades.
Logo na “nomeação”: ‘alguns’ sabem porque se tornou público que ele não era a primeira escolha.
Seguindo-se a constituição da equipa de comissários: o Sr. Butiglione, um homem de convicções morais profundas que não estão de acordo com o politicamente correcto ‑ mais um caso em que a vida privada dos “executivos” foi devassada!
Na apresentação de um plano de acção: os media não o deixam fazer passar a mensagem!
Na gestão das suas velhas amizades: um homem como Barroso, que fala inglês e francês, frequentou cursos na Suíça, naturalmente que é velho ‘compincha’ de um negociante grego e obviamente como cavalheiro requintado e habituado a bons tratos passa férias num iate em alto-mar.

E se bem repararmos em todos estes dados, detectamos a razão desta estratégia concertada dos media: temos um português, um italiano e um grego.
A Europa do Norte, ou, como dizem alguns renomados cronistas da praça, alguns media apoiados nas opiniões públicas de França e Alemanha (demasiado conservadoras no seu apreço pelo Estado Social e que não vêem com bons olhos um “liberal reformista” que poderia levar a Europa a caminho do progresso – como aliás começou a fazer em Portugal!) – são estes – os nórdicos, anti-liberais e anti-cristãos – os verdadeiros responsáveis pelo tremendo ‘complot’ contra o nosso “compatriota”, que levou e está a levar o nome de Portugal mais alto e mais longe!

Ou será que esta missão é demasiado elevada para Barroso, José Manuel Barroso?

André Pereira

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Cavaco Silva – O bilioso de Boliqueime