Dez discursos de Barack Obama

Acabo de ler 10 discursos do ora presidente dos EUA. Fiquei esmagado pela força das convicções, a intensa humanidade e a coragem cívica.

Este homem é um príncipe da Renascença, filho do Iluminismo e apóstolo da Revolução Francesa. Tudo ao mesmo tempo. A grandeza ética de um cidadão singular e a força tranquila do presidente mais poderoso do Mundo.

Há nele uma convicção tão profunda e uma fé tão sincera que nos convencemos de que a força a que apela vem de si e a ajuda que pede não é um direito mas o dever que incumbe cada um de nós.


Invoca Deus, numa cedência ao gosto autóctone, mas é nos homens e mulheres que ele pensa, na enorme força escondida na capacidade humana.

Um homem, por maior que seja – e é – não pode tudo mas todos lhe devemos a solidariedade que merece e a ajuda que pudermos.

Quem gosta da América e dos americanos e andou 8 anos, longos e dolorosos, a zurzir a clique evangélica com as mãos sujas de petróleo e de outros negócios escuros, ré da violência nas prisões, da mentira e das guerras injustas e criminosas, tem agora uma sólida razão para se reconciliar.

Barack Obama é a brisa que sopra do outro lado do atlântico, a esperança que chega.

O mundo está perigoso mas, sem ele, seria bem pior.

A ler: Dez discursos históricos in Fio da Palavra

Comentários

André Pereira disse…
Aconselho ainda a leitura dos seus dois livros: Dreams from my father (de 1995) (escrito quando tinha uns 35 anos, acabava o curso de Direito em Harvard e fora eleito Director da Revista da Faculdade de Direito)) e The Audacity of Hope (escrito em 2004: é já um "testamento" político, ou melhor, uma carta de postulados e propostas que o levariam à Presidência; acabara dese tornar Senador Federal). Para além da força da sua biografia e das suas ideias, é um excelente escritor! Verdadeiramente um Mestre na arte de cativar e seduzir o leitor e de lhe transmitir emoções, ideiais e imagens. Um prosador de primeira água.

Mensagens populares deste blogue

O último pio das aves que já não levantam voo

Cavaco Silva, paladino da liberdade

A ânsia do poder e o oportunismo mórbido