Momento de poesia


        Contra-revolução



O tempo sem tempo

os dias sem data

a vida sem destino

o mundo em desatino

as flores sem cheiro...

E a Revolução por acabar...

Ficou ali, na rua,

esmagada, sem sentido,

esperando as bandeiras desfraldadas da revolta

(já apeadas dos mastros) e outrora erguidas

nas vitórias assumidas

e agora engolidas no travo da derrota.


Alexandre de Castro

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Goldman Sachs, política e terrorismo financeiro

Miranda do Corvo, 11 de setembro

Maria Luís e a falta de vergonha desta direita