Momento de poesia


        Contra-revolução



O tempo sem tempo

os dias sem data

a vida sem destino

o mundo em desatino

as flores sem cheiro...

E a Revolução por acabar...

Ficou ali, na rua,

esmagada, sem sentido,

esperando as bandeiras desfraldadas da revolta

(já apeadas dos mastros) e outrora erguidas

nas vitórias assumidas

e agora engolidas no travo da derrota.


Alexandre de Castro

Comentários

Mensagens populares deste blogue

O último pio das aves que já não levantam voo

Cavaco Silva, paladino da liberdade

A ânsia do poder e o oportunismo mórbido