Em nome da liberdade (3)

Sinto-me um nano-micro-mini intelectual, espécie de especialista em coisa nenhuma, o opinante que faz suposições sobre realidades variadas sem aprofundar uma única. Não me demito de opinar, de me interrogar e de desafiar os outros para me acompanharem nas inquietações, dúvidas e enganos. Cada um de nós só se levanta se tiver caído antes e, em cada tombo, aprender a erguer-se de novo.

Por cada preconceito que enjeito adoto outro, por cada amarra de que me liberto aparece uma nova corrente que me prende. A liberdade é o caminho estreito, entre vias sinuosas de vários constrangimentos, que não poemos desistir de procurar e defender.

Ameaçam a liberdade a fome, a sede, o medo e o preconceito, mas a grande ameaça é a violência que se lhes junta, o sectarismo de quem se julga detentor de verdades únicas, a vindicta de quem vê nos adversários inimigos e nos livres-pensadores réprobos a abater.

As religiões são frequentemente detonadoras do ódio, fautoras de guerras, guardiãs dos velhos preconceitos e inimigas da liberdade, apesar da bondade de muitos crentes e dos golpes de rins dos exegetas.

Todas as religiões consideram falsas as outras e o Deus de cada uma delas. No fundo todos somos ateus porque quem se reclama ateu só considera falsa mais uma religião e um Deus mais. Sem recorrer no conceito grego de ateísmo, veneração de deuses de uma cidade diferente, hoje todos somos ateus em relação a Zeus, Amon, Júpiter ou boi Ápis.

A crença ou a descrença não fazem as pessoas boas ou más. Há exemplos deploráveis de umas e de outras. Trágico é pretender que o que foi escrito na Idade do Bronze, por homens de tribos patriarcais, seja a palavra de um Deus que demorou muitas centenas de milhares de anos a revelar-se e apenas soprou o barro quando o género humano se reproduzia há muito pelo método popular ainda hoje em uso.

Um Deus feito à imagem e semelhança dos homens, dos homens de tempos onde a luta assegurava a sobrevivência, imbuíram os livros sagrados do espírito violento, xenófobo, vingativo, misógino e homofóbico, incompatível com a modernidade.

Não vem mal ao mundo que as pessoas substituam a reflexão e o espírito crítico pela fé, direito que o Estado moderno deve garantir, mas torna-se intolerável o carácter prosélito que devora os crentes, a demente obsessão de impor aos outros o que cada um julga ser a verdade divina, perpétua e imutável, pela violência, quando necessária.

Um Deus que se preocupa com as normas de conduta, da alimentação ao vestuário, das orações aos jejuns, da liturgia à sexualidade, sobretudo com a última, especialmente a das mulheres, não pode andar à solta, sem que o Estado refreie os guardiões e defenda da sua ira quem prefira, ao risco perpétuo de perder a alma, a fugaz apoteose da vida.

A laicidade é a vacina que defende a Humanidade dos confrontos religiosos na disputa do mercado da fé. A globalização ameaça reduzir a um único os credos em confronto.

Comentários

Manuel Galvão disse…
"Este banco é grande demais para falir" she said!

E toda a gente acredita. Toda a gente quer acreditar, porque isso lhe alivia a ansiedade do desconhecido que seria a falência de um banco tão grande.

Isto passa-se numa sociedade laica, aonde impera a fé!

Daqui até aparecer uma nova religião, vai um passo...
e-pá! disse…
"As religiões são frequentemente detonadoras do ódio, fautoras de guerras..."
Nada mais verdadeiro!
E não é necessário recuar ao horroroso e longo lastro histórico. Basta olhar, aqui e agora, para o que está a acontecer... no Afeganistão, Nigéria, Iraque, Síria, Israel, Sudão, Tibete, Tailândia, etc.
Uma 'multidão' de conflitos espalhada pelo Mundo envolvendo tudo e todos: cristãos, muçulmanos, judeus, budistas,
etc.
A regra tem sido todas as religiões apresentam as mãos sujas de sangue. As mesmas manápulas que abençoam os incautos crentes...
Manuel Galvão disse…
São os projetos de poder que utilizam as crenças religiosas (ou outras crenças) para atingirem seus objetivos, manipulando os crentes.

Manipular os crentes no socialismo ou na social democracia para servir um projeto de poder "Socialista" ou "Social Democrata" é semelhante a convencer muçulmanos da Síria e de Iraque que, se seguirem o mulá Abu Bakr al-Baghdadi obterão o califado prometido por Alá!

Mensagens populares deste blogue

O último pio das aves que já não levantam voo

Cavaco Silva, paladino da liberdade

Efeméride – 30 de outubro de 1975