O parágrafo (2)

«O poder político continua a envergonhar-se de Fátima. O Santuário cresceu com ofertas dos peregrinos e não com apoios do governo e, nesse sentido, manteve sempre uma distância e uma independência em relação ao poder político».

(Carlos Cabecinhas, CEO da maior área comercial coberta da fé católica, em Portugal, com o pseudónimo de ‘Reitor do Santuário de Fátima’)

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Nigéria – O Islão é pacífico…

A ânsia do poder e o oportunismo mórbido

Macron e a ‘primeira-dama': uma ‘majestática’ deriva …