A gralha do DN

Eu vi a gralha sobre o frade que, por falta de préstimo para funções internacionais, recolheu ao Convento para escrever o último roteiro.

 Quanto ao frade, que enjoa a andar a pé, razão por que o motorista o recolhe e devolve todos os dias à Travessa do Possolo, a cerca de 1 km do convento, pernoita ali, na sua toca com duas marquises.

Deve andar em meditação profunda, a tentar descobrir porque foi o único PR que conseguiu sair do cargo perante o alívio geral. Ainda espera que, após o esquecimento das malfeitorias que o levaram a reincidir, contra a AR, no Governo de Coelho & Portas, que o País lhe perdoe.

A memória é curta, mas o monge de agora era rancoroso e reacionário. E não mudará.

Comentários

Como é que o DN sabe o que fizeram os SUCESSORES de Cavaco é, de facto, um mistério...

Mensagens populares deste blogue

Nigéria – O Islão é pacífico…

A ânsia do poder e o oportunismo mórbido

A desmemória e a dissimulação