CONVITE


Dia 6 de Dezembro de 2006, às 17h30.

Tribunal da Boa Hora - 6.ª Vara Criminal - Descerramento de uma placa alusiva aos julgamentos ali efectuados, no Tribunal Plenário entre 1945 e 1974, onde a justiça e os direitos humanos foram espezinhados, pelos esbirros da ditadura.

A placa será descerrada por Edmundo Pedro e Nuno Teotónio Pereira.

Haverá as seguintes intervenções:

Mário Soares, ex-advogado de defesa (e também ex-condenado pelo Tribunal Plenário);
António Borges Coelho, ex-preso político;
Cláudia Castelo, da geração pós 25 de Arril, em nome do Movimento "Não Apagauem a Memória".

Encerramento por um juiz, em representação do tribunal.

Compareçam, ajudem a não deixar que apaguem a memória!

Comentários

Anónimo disse…
Acho que deveríamos lá estar todos os que se interessam pela defesa dos direitos Humanos.

Manuel de Brito/Porto
pai de família disse…
Se querem homenagear essas pessoas, pois que as homenageiem...
Nada me surpreende, num país onde tudo se subverte. Onde criminosos são soltos e polícias são presos ou aposentados compulsivamente. Onde homens impecáveis, honestos e sacrificados, são vilipendiados e os traidores celebrados.
Pois que os homenageiem, então, e já agora, também todos os outros traidores, desertores e vendedores da Pátria.
Homenageiem panilas, abortadeiros, abortadeiras, blasfemos, assassinos e mentirosos.
A História fará justiça aos nossos maiores, e a memória prevalecerá junto dos gratos.
e-pá! disse…
A prosa do "pai de família" provoca-me, pura e simplesmente,um vómito de nojo e de replência.
Tendo passado, de modo efémero (como testemunha), nesse simulacro de tribunal, um verdadeiro antro de vergonha, onde cidadãos foram enxovalhados na sua honra e dignidade e condendados por delitos de opinião ou por lutarem pela sua liberdade e da dos "outros",
repugna-me ler, passados mais de 30 anos sob a sua extinção, os que - como o "pai de família" - se consideram e arvoram em "donos" da Pátria.
Na verdade, o nojo é tanto maior, quanto é verdade que, em Portugal, os carrascos fabricados pelo regime salazarista foram tratados, depois do 25 de Abril, foram tratados com a maior (talvez demasiada) benevolência.

"Pai de Família":

Os que passaram pela Boa-Hora não são os vendedores da Pátria. São, pelo contrário, aqueles que lutando pela liberdade e pelo seu País, honraram a Pátria.
Felizmente, estou convicto e tranquilo, que a História não será escrita por gente com os seus ódios, as suas aberrações e as suas frustações, mas por homens com valores, insenção e humanismo.
Acabou, em boa hora, o seu tempo histórico.
Desses escombros, nascerá a História da verdade. A memória das violações dos direitos humanos praticadas na Boa Hora, ajuda-nos no contínuo processo de libertação onde todos estamos inseridos.
pai de família disse…
À luz do Direito vigente, à época, eram criminosos.
A função dos Tribunais é julgar, aplicando o quadro legal em vigor.
Quem desrespeita a Lei e a Ordem, é punido.
Havia medo e respeito, havia lei e ordem. Havia harmonia.
Quem não cumpre a Lei, deve ser punido.
Não é assim hoje, também?
Anónimo disse…
Ao Pai de Família.

O senhor conhece o conteúdo da Declaração do Congresso de Filadelfia de 4 de Julho de 1...

E qual é a data? Mas onde é que o senhor tem andado?

Manuel de Brito/Porto
Camisa Azul disse…
Deviam aproveitar para homenagear também os presos políticos que o PREC fez.
Deviam também homenagear os portugueses que tiveram de fugir das ex -colónias devido á “descolonização exemplar”
Deviam também homenagear aqueles africanos que foram assassinados pelo Movimentos de “libertação” só pelo facto de terem lutado debaixo da Bandeira Nacional.

Mensagens populares deste blogue

Vasco Graça Moura

Notas sobre a crise venezuelana…