A Igreja católica abandona a Europa

É fácil perceber que o grande inimigo da religião, para além da concorrência, não é o ateísmo mas a liberdade. Quando o aparelho repressivo se desmantela ou deixa de estar ao seu serviço, pelo sucesso das armas ou força das ideias, desagrega-se a fé e o clero.

Na Europa, o último século foi desastroso para o cristianismo e, especialmente, para o catolicismo. O nazismo, sendo um fenómeno secular, nunca poderia ter levado tão longe a demência se o anti-semitismo não fosse apanágio do Novo Testamento e da formação de tantos prelados.

Durante e após a II Guerra Mundial, a Igreja Católica Apostólica Romana (ICAR) excomungou todos os comunistas e nunca excomungou um único nazi. Entende-se, pois, como a derrota do nazismo e do fascismo abalou o seu prestígio.
A moral separou-se da religião e os valores já não estão reféns da vontade divina nem de quem reclama alvará para a interpretar. Para desespero do Vaticano, a crença, a descrença e a anti-crença fazem hoje parte dos direitos e liberdades que as democracias garantem.

Mas surpreende a forma como o Vaticano, sempre prudente, vai desistindo da Europa para apostar noutros continentes. Admira que um Papa romano, europeu, prefira as crucificações na Indonésia, o protectorado de Timor e o catolicismo do Opus Dei, na América do Sul, ao cristianismo saído do Vaticano II. Na Europa, de que Bento 16 parece desistir, restam a Polónia, Malta, Irlanda, Croácia e Eslovénia a praticar um catolicismo ao gosto do Vaticano e dos bispos de monsenhor Lefebvre. Resta a opção por África onde a diferença entre a feitiçaria e a transubstanciação do pão e do vinho será difícil de explicar.

A Igreja Católica sabia que, ao excomungar os médicos brasileiros que salvaram a vida de uma criança de nove anos, grávida de gémeos, violada pelo padrasto, desencadearia a ira do mundo civilizado; que a homofobia, comum às religiões do livro, é anacrónica; que a rejeição do preservativo, o meio mais eficaz de prevenir as doenças sexualmente transmissíveis, é moralmente injusta e cientificamente insustentável.

Ao defender dogmas religiosos, sem ponderar a tragédia humana que daí resulta, Bento 16 tornou-se responsável pelo agravamento da epidemia e pela sabotagem dos esforços dos organismos de combate à SIDA, inquietos com a perda do controlo epidemiológico.

A Igreja católica, refém da teologia do látex, é incapaz de abdicar da herança de Paulo VI. Este, contrariando a opinião da vasta comissão de peritos constituída pelo Vaticano e que recomendava que o uso de contraceptivos devia ser uma opção livre dos casais, preferiu avançar com a publicação da encíclica Humanae Vitae. E, assim, enquanto a Igreja acrescenta santos, bulas, encíclicas, excomunhões e dogmas, perde a capacidade de contribuir para o progresso, especialmente em África, onde poderia dar uma ajuda inestimável na luta contra o tribalismo, a corrupção, a fome e as epidemias.

O Papa deixou de ser referência moral e passou a motivo de troça. O que não augura nada de bom porque, no mercado da fé, há muito pior.

Ponte Europa / SORUMBÁTICO

Comentários

Anónimo disse…
"O nazismo, sendo um fenómeno secular, nunca poderia ter levado tão longe a demência se o anti-semitismo não fosse apanágio do Novo Testamento e da formação de tantos prelados."
Até mesmo os sionistas compartilharam o sentimento anti-semita. O mais espantoso é a existência de judeus neonazis em Israel hoje.

"Durante e após a II Guerra Mundial, a Igreja Católica Apostólica Romana (ICAR) excomungou todos os comunistas e nunca excomungou um único nazi. Entende-se, pois, como a derrota do nazismo e do fascismo abalou o seu prestígio."

A igreja não iria excomungar seus grandes $ócio$. A igreja teve "affair" com Hitler, Mussolini,Franco,Salazar,Tiso(padre!),Pavelic,Horthy,
Degrelle,Dolfuss,Schussnigg etc.

Ironicamente, a igreja, através de JP2 excomungaria Degrelle.

"Admira que um Papa romano, europeu, prefira as crucificações na Indonésia, o protectorado de Timor e o catolicismo do Opus Dei, na América do Sul"

engrçado que o papa JP2, num "surto" humanitário, reclamou a liberdade timorense a Suharto.

Américva do Sul?? Muita gente do povo está indo pra igreja evangélicas (outra máfia).

"restam a Polónia, Malta, Irlanda, Croácia e Eslovénia a praticar um catolicismo ao gosto do Vaticano "

exatamente!!! Malta é praticamente 1 teocracia!! o Vaticano usou terrorismo psicológico na ilha pra desprestigiar Dom Mintoff(trabalhista) nas eleições de 1962. è incrível como o povo de lá aceita proibição do aborto e divórcio até hoje.

Croácia?? bom... é sabido do paSSado "ustashado" desta nação. um ateu croata me disse que a juventude de lá é pouco religiosa...há esperanças...

E como estão a Áustria e Slovakia?? se curvam a Roma ainda?

"Resta a opção por África"
A concorrência islâmica e evangélica é grande.

"A Igreja Católica sabia que, ao excomungar os médicos brasileiros ..."

Não estou irado com a excomunhão..
a máfia romana excomunga qm ela quiser...(alias que ela comungue somente pessoas biltres, ela marece)
Quem tem amor próprio, não pertence a ela.

"Ao defender dogmas religiosos..."

O X do problema é que ela se aproveita de pessoas de baixo nível educacional. Os governantes que não oferecem boa educação ao seu povo tem culpa tambem.
e-pá! disse…
A Europa é sempre um Continente muito difícil...
Tem uma carga histórica muito pesada, não perdoa hesitações identitárias, uma cultura muito detallhada e em permanente agitação, não suporta o imobilismo e económicamente procura afincadamente a estabilidade, a segurança e o desenvolvimento sustentado e detesta o espirito de El Dorado.

Por isso, muitos povos, em determinados períodos da sua história preferiram virar-lhe as costas. Depois, regressam ao seu berço civilizacional, como filhos pródigos.

Sucedeu isso a Portugal nos séc. XV/XVI, altura em que voltámos as costas à Europa e partimos para África e Oriente. É a conhecida epopeia dos Descobrimentos.
Só regressaríamos em pleno ao convívio europeu, muitos séculos depois, no início do sec. XIX, a reboque da Revolução Francesa, em plena revolta liberal.

A ICAR bateu-se na Europa durante milénios.
Está exangue.
Foi a Reforma, a Contra-Reforma, o Iluminismo, os movimentos liberais, a ascenção burguesa, o movimento operário, o sindicalismo, as mudanças sociais da era industrial , as lutas entre republicanos e monárquicos, etc.

Provavelmente, tem melhores oportunidades em África e no Continente sul-americano e novos terrenos para o seu munus, isto é, dilatar a Fé. Já que o Império feneceu.
Ao virar as costas à Europa, estará a reciclar histórias da caminhada europeia, onde sempre houve apogeu e declínios. E a ICAR, na Europa, está em franco declínio.

Lançou o balão de ensaio de Lourdes, segura Fátima (mais o anterior do que este), mas não chega.
A ambição da ICAR é universal e, neste momento, nesse aspecto está, gravemente, comprometida.

Mas Bento XVI não tem "golpe de asa" para esta mudança.
Haverá, com certeza, preparativos prévios, esta é a minha premonição.
Unknown disse…
O PROTESTANTISMO É A 6º CHAGA. TROUXE DIVISÃO ONDE O ESPÍRITO PEDE UNIDADE. TROUXE MENTIRAS ONDE O ESPÍRITO PEDE A VERDADE... E A VIDA. TROUXE A DÚVIDA ONDE O ESPÍRITO PEDE A FÉ. TROUXE O SUBJETIVISMO DO PENSAR ONDE O ESPÍRITO QUER MANIFESTAR A MESMA GRAÃ E CERTEZA PARA TODOS.
O PROTESTANTIMO ESPALHOU ERESIAS E EM SI MESMO SE FRAGUIMENTOU EM MILHARES DE SEITAS ERÉTICAS, SEM EXEÇÃO. DEPOIS DO DEMÔNIO DO PROTESTANTISMO, AGORA O DEMÔNIO DO ATEÍSMO CRESCENTE NASCIDO DA DÚVIDA DE SE CRER NA VERDADE OU NA MENTIRA.
O HOMEM MODERNO PERDEU A NOÇÃO DO QUE É E DO QUE NÃO É PECADO. E SE AFASTOU DE DEUS E DE SUA GRAÇA.

Mensagens populares deste blogue

Insurreição judicial

Cavaco Silva – O bilioso de Boliqueime