Clarificando o sentido do ‘fim do protectorado’…

Para os que aparentemente acreditam nas virtudes do ‘processo de resgate em curso’ e continuam a esconder a imperiosa necessidade da reestruturação da dívida (pública e privada) um esclarecedor artigo publicado há 3 dias no Telegraph – “IMF paper warns of 'savings tax' and mass write-offs as West's debt hits 200-year high” - link que aconselho vivamente a ler e digerir.

O seu autor (Ambrose Evans-Pritchard) para fundamentar a sua análise socorre-se da prestimosa ‘supervisão’ (antecipação) do FMI e da ‘insuspeita’ colaboração dos trabalhos de um dos mais conhecidos ‘apóstolos da austeridade’ (Prof. Rogoff).

Os trabalhos da equipa Rogoff têm sido a cartilha de Wolfgang Schäuble e do comissário de Economia da UE , Olli Rehn, para ‘justificarem’, politicamente, a austeridade.

Quer Schäuble, quer Rehn, continuam a exercer cargos políticos de relevância no contexto europeu. A influência do suas orientações políticas nos destinos da UE, e muito especialmente na Zona Euro, complementam-se e potencializam-se. Schäuble tem o poder de intervir de facto (o de direito pouco lhe importa) e Rehn é uma monótona caixa de ressonância de Berlim em Bruxelas. A única (pequena) coisa que poderá mudar no próximo mês de Maio é Olli Rehn - que deverá cair com o seu comparsa Barroso. Mudanças que coincidem com a definição do tão falado ‘programa cautelar’ para Portugal. Resta saber se essa eventual e hipotética (cosmética!) mudança terá a capacidade ou a oportunidade para ‘cautelarmente’ alterar alguma coisa ou se as cartas estão ‘à priori’ marcadas.
De facto está há muito tempo colocada no terreno uma mais explícita e operacional dupla: ‘Schäuble/Draghi’. Que após as eleições europeias espera ter a sua ‘oportunidade’.
Isto é, estamos perante a perspectiva de uma completa (total) ‘fusão’ (confusão) do poder político com o financeiro, com uma total submissão do primeiro ao segundo…

Portanto, nada de novo no meio (ou no fim) desta crise ou, se quisermos, nesta 'periférica' frente ocidental.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

O último pio das aves que já não levantam voo

Cavaco Silva, paladino da liberdade

A ânsia do poder e o oportunismo mórbido