Notas Soltas - julho/2015

Euro – Esta moeda, como está demonstrado, só pode manter-se com o aprofundamento da integração europeia no domínio económico, social e político, com diplomacia, defesa e harmonização fiscal próprias de uma união de Estados. Assim, só resta a lenta agonia.

Estado Islâmico (EI) –  Inovou a interpretação do Corão, o manual terrorista herdeiro do pior que o A. T. legou, e aplicou pela primeira vez a decapitação, já usada contra hereges estrangeiras, contra mulheres sírias acusadas, tal como os maridos, de feitiçaria.

Panteão Nacional – A trasladação de Eusébio, mítico futebolista, à semelhança do que aconteceu com Amália, teve o apoio unânime  de todas as bancadas da AR. Salgueiro Maia, Saramago ou Sá Carneiro (morto em funções) não mereceram tal honra.

Maria Barroso – Era uma mulher de causas. Morreu aos 90 anos a pedagoga, resistente antifascista, apoiante de presos políticos, intelectual e benemérita. Deixou saudade e foi exemplo de coragem e lucidez a única mulher fundadora do PS.

Gazeta de Mérito – A atribuição a Fernando Paulouro das Neves, diretor do Jornal do Fundão, até 2012, por ter exercido a profissão «com paixão, inteligência e grande rigor deontológico», foi o justo galardão para uma carreira impoluta de jornalista e cidadão.

PM – A Biografia encomendada foi a operação de cosmética que alterou o cadastro para currículo. Em campanha eleitoral promete um PM que nunca foi para um país diferente daquele a que o deixou chegar.

Eleições legislativas – A marcação da data, depois da recusa em antecipá-las, devia ser para o PR um ato formal. Foi o tempo de antena ao serviço do Governo e desta maioria por quem confunde a militância partidária com as funções que exerce.

PR – A ameaça de não dar posse a um governo minoritário, após as eleições legislativas de outubro, é mera chantagem eleitoral de quem nunca ocultou o amor a este Governo e o desapego à Constituição que amargamente jurou defender.

Tecnoforma – O Organismo Europeu de Luta Antifraude (OLAF) detetou a prática de infrações penais e financeiras na aplicação e/ou na atribuição de fundos à empresa que teve Pedro Passos Coelho como consultor e administrador. Prescreveram.

Durão Barroso – Desprezado no País, vai ser vedeta na Universidade de Verão do PSD deste ano, que decorre entre 24 e 30 de Agosto, em Castelo de Vide. Vai ensinar como se destrói um país [o Iraque] com mentiras e se consegue viver sem remorsos.

Finanças – Maria Luís Albuquerque, considerou a investigação da Comissão Europeia ao processo do “Banif” – o banco da Madeira –, um procedimento normal e manifestou tranquilidade em relação às futuras conclusões. A dívida da Madeira passou por ali.

Nigéria – Uma menina de cerca de 10 anos praticou um atentado suicida no nordeste da Nigéria, matando pelo menos 16 pessoas, segundo autoridades policiais. O Boko Haran é suspeito. Os combates prosseguem ali entre o Islão e o protestantismo evangélico.

Eleições presidenciais – É um tema que, neste momento, só desvaloriza as legislativas. A seu tempo, escolheremos um PR que fomente consensos e não que os impeça, embora fazendo apelos nesse sentido. É decisivo eleger um PR com senso. 

Portugal à Frente – O pseudónimo usado pela coligação no poder faz lembrar o avanço dos países islâmicos em relação às mulheres. Com o terreno cheio de minas, passaram a ir as mulheres à frente, tal como o PSD e o CDS a esconderem-se atrás do País.

ONU – Jorge Sampaio, último PR à altura do cargo, recebeu, em 24 de Julho, o Prémio Nelson Mandela. Foi a primeira personalidade a receber a distinção que visa distinguir personalidades pelo seu trabalho em prol dos ideais defendidos pela organização.

Isilda Pegado – A indigitação da ultrarreacionária militante, para candidata a deputada, beneficia os partidos de esquerda e afronta a orientação do atual magistério papal com a mais radical representante de um catolicismo jurássico.

John Sewel – Droga e sexo obrigaram o lorde inglês, conservador e devoto, a renunciar à Câmara dos Lordes. Os tabloides, em uma das imagens menos chocantes, mostraram o chefe da Comissão de Ética com um sutiã laranja. Há de tê-lo perdido mais a cor do que o adereço.

Pacheco Pereira – O ex-dirigente do PSD, um dos social-democratas ostracizado pelos ultraliberais que capturaram o partido, foi quem melhor definiu o programa da coligação que aturámos: Programa eleitoral da coligação PSD/CDS é um insulto aos portugueses.

CGD – O PM cessante, com um sentido de Estado a condizer com a sua preparação e a sensibilidade do crocodilo, atacou o único banco do Estado para o depreciar e mostrar que, se tiver tempo e o deixarem, não hesitará em privatizá-lo.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Nigéria – O Islão é pacífico…

A ânsia do poder e o oportunismo mórbido

Macron e a ‘primeira-dama': uma ‘majestática’ deriva …