Prometeu agrilhoado

Da trilogia das tragédias, Prometeu agrilhoado, Prometeu libertado e Prometeu portador do fogo, só a primeira permaneceu, sendo incerta a ordem, o que dificulta a investigação do mito grego de que Ésquilo poderá ter sido o provável autor. A lábil interpretação do mito permite ao sapateiro cronista tocar o rabecão ao som do qual o adapta.

Alexis Tsipras é, há cinco meses, o Prometeu acorrentado a Yánis Varoufákis, acusado de cinco anos de dívida insolúvel. Todos os dias os abutres lhe devoram o fígado que se regenera para que o suplício não termine, por ordem de Zeus (Troika) a quem evitou que aniquilasse, na sua fúria, os gregos. A piedade de Tsipras permitiu-lhes viver, mas Zeus, quis que o suplício que lhe destinou por lhes ter ensinado a não desejarem mais a morte, lhes deve também caber, sobretudo depois de lhes dar o fogo com que ateou a ira dos credores. Zeus tinha-o proibido de dar o fogo divino da liberdade, o que incendiou a sua fúria. Prometeu previa o castigo, só desconhecia o grau de violência e a diferença da tragédia original, o castigo para todos.

Zeus temeu que os devedores ficassem tão poderosos quanto os próprios credores e tê-lo-á punido pelo crime, deixando-o amarrado à rocha por toda a eternidade enquanto a águia lhe comia permanentemente o fígado, que crescia novamente no dia seguinte, tal como a dívida, e os abutres dilaceravam as vísceras do povo há mais de cinco meses.

A rocha (Varoufákis) manteve-se firme e Prometeu, tolhido pelas correntes, enquanto a águia lhe devorava o fígado, via as vísceras dos gregos, que quis defender, dilaceradas pelos abutres de Zeus. Perante o suplício convocou o povo para usar o fogo da liberdade que lhe ensinara. Hoje, com os abutres a ameaçarem a Acrópole, devedores e credores estão em pânico. O último relatório do temível abutre [FMI] até confirmou, na véspera do uso do fogo referendário, que a rocha e o agrilhoado tinham a razão que negaram.

Todos os comentadores, antigos e modernos, de Hesíodo a Ésquilo, passando por Safo, Platão, Esopo e Ovídio, de Nova York a Bruxelas e Berlim, são unânimes quanto ao papel decisivo de Prometeu na economia global, execrando-o uns, louvando-o outros, sem que algum saiba antecipar as sequelas do veredicto, seja ele qual for.

O suplício de Prometeu, contrariamente ao mito, pode consumir Zeus no fogo a que era imune. Os deuses morrem com os homens. Uns e outros partilham o destino comum.

Até à recolha das cinzas do fogo referendário que lavra na Macedônia, Grécia Central, Peloponeso, Tessália, Épiro, Ilhas Egeias (incluindo o Dodecaneso e Cíclades), Trácia, Creta e Ilhas Jônicas, deixo aos leitores um belo poema de Goethe, «Prometheus», que recolhi na Wikipédia:

"Encobre o teu Céu ó Zeus
com nebuloso véu e,
semelhante ao jovem que gosta
de recolher cardos
retira-te para os altos do carvalho ereto
Mas deixa que eu desfrute a Terra,
que é minha, tanto quanto esta cabana
que habito e que não é obra tua
e também minha lareira que,
quando arde, sua labareda me doura.
Tu me invejas!
(...)

Eu honrar a ti? Por quê?
Livraste a carga do abatido?
Enxugaste por acaso a lágrima do triste?
(...)

Por acaso imaginaste, num delírio,
que eu iria odiar a vida e retirar-me para o ermo
por alguns dos meus sonhos se haverem
frustrado?
Pois não: aqui me tens
e homens farei segundo minha própria imagem:
homens que logo serão meus iguais
que irão padecer e chorar, gozar e sofrer
e, mesmo que sejam parias,
não se renderão a ti como eu fiz"

a) Eu também sou grego, hoje, 5 de julho de 2015, era vulgar.

Comentários

e-pá! disse…
As figuras mitologógicas - quer gregas, quer depois quando assimiladas pelos romanos e divulgadas pelo Mundo na gesta imperial - forneceram, ao longo dos tempos, chaves e instrumentos que ajudaram os povos a compreender o Mundo. Davam respostas possíveis e enigmáticas, embora nem sempre directas, a perguntas incompreensíveis.
Mas todo este arsenal mitológico tinha um denominador comum. Os deuses não gostavam dos humanos, que sempre aparecem como entes secundários, objectos venais de punição e destinatários de vinganças, no Olimpo onde habitavam as divindades.
Prometeu, segundo a mitologia, foi libertado do seu suplício (nas montanhas do Cáucaso!) por Hércules.
É espantoso como muitos séculos depois a mitologia continua a ser capaz de nos ajudar a decifrar o desconhecido, o oculto e os temores.
Hoje, a trágica crise grega, não deixa de ser um 'hercúleo' passo no caminho da libertação (dos 'deuses', dos 'medos' e da 'submissão').
Independentemente do que vier a seguir.
Ainda cheguei a ver na China -pasme-se, o Hércules libertador.
David Mackelvins disse…
Olá,

Aplicar para um empréstimo rápido e conveniente para pagar contas e iniciar um novo projeto financeira à taxa de juro mais barato de 2%. Contacte-nos hoje através de E-mail: stewartd887@gmail.com com o montante do empréstimo necessário. A nossa oferta mínimo de empréstimo é € 5.000,00 a € 50,000,000.00USD. estamos certificados, registrados e credor legítimo. Pode contactar-nos hoje, se você estiver interessado em obter este empréstimo, entre em contato conosco para obter mais informações sobre o processo de empréstimo. Processo como os termos de empréstimo e condições e como o empréstimo será transferido para você. precisamos de sua resposta urgente se você estiver interessado.

KINDLY preencher e enviar o formulário de empréstimo de inscrição abaixo:
 
Seu nome:______________________
Seu endereço:____________________
Seu país:____________________
Sua ocupação:__________________
Valor do Empréstimo Necessário: ______________
Empréstimo Duração: ____________________
Renda Mensal: __________________
Número de telefone celular:________________
Você já pediu um empréstimo antes: ________________
Se você tiver aplicado para um empréstimo antes, onde tratados de forma honesta? onde está a empresa localizada? ...

e-mail: stewartd887@gmail.com
Cumprimentos
Sr. Larry Walters

Mensagens populares deste blogue

Nigéria – O Islão é pacífico…

A ânsia do poder e o oportunismo mórbido

Macron e a ‘primeira-dama': uma ‘majestática’ deriva …