Strip tease mediático do anojamento na (da) Direita…

Um político ressabiado é do pior que há. Passos Coelho é um exemplo acabado desse destempero. Habituado a fazer política à volta de cumplicidades promiscuas tem lidado mal com a postura política do atual Presidente da República.
Não porque este (PR) esteja a fazer um ‘frete’ ao Governo do PS apoiado pela Esquerda. Mas porque Marcelo tem um projecto presidencial próprio (que o tempo vai revelando numa cascata de prestações) e não é identificável com a anterior situação - vivida no tempo de Cavaco Silva - em que a Direita, então, no Governo sempre se sentiu escorada em Belém.

O problema de Passos Coelho é que vivendo aquilo que transparece como ‘momentos de infelicidade’, por não se conformar com o exercício de um papel de Oposição, resolve mostrar um inqualificável despeito para os que exercem um cargo político com ‘felicidade’. Foram esses sentimentos que revelou na entrevista ao ‘Sol’ link .
É o 'fado do desgraçadinho': castigado nas urnas, rejeitado no Parlamento e enjeitado em Belém.

Mas na referida entrevista foi mais longe. Perante, por exemplo, o conteúdo do discurso do ‘feliz protagonista’, que acintosamente denomina por “Dr. Rebelo Sousa”, na sessão comemorativa do 25 de Abril na AR, onde apelou a consensos nacionais em áreas chaves nas reformas (verdadeiramente estruturais) do Estado, o licenciado Passos Coelho resolveu 'desconversar' falando da miopia dos ‘outros’.
Ao fim deste tempo todo continua a confundir reformas do aparelho de Estado (em curso) com mudanças inconstitucionais de regime (o que paulatinamente foi tentando na legislatura que governou). É o que sibilinamente advoga quando aponta a total submissão aos ‘mercados’ e  ‘investidores’ como a sua base programática de consensos link.

Bem, ficamos por esta cegueira política que deixa os cidadãos sem enxergar os caminhos, em direcção ao futuro, deste dirigente político.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Nigéria – O Islão é pacífico…

A ânsia do poder e o oportunismo mórbido

Macron e a ‘primeira-dama': uma ‘majestática’ deriva …