Notas Soltas – fevereiro/2017

Brasil – Após nove meses no poder e de aumentar a despesa pública, quando presidente interino, para consolidar o golpe, Michel Temer culpou o governo de Dilma, onde o seu PMDB tinha sete ministérios, pelo maior déficit da história. Fraqueza e hipocrisia.

Turquia – Com o único e corajoso afrontamento da Sr.ª Merkel, Erdogan não suspende a prisão de jornalistas e escritores criando o «maior cárcere de intelectuais do mundo», como afirmou Per Wästberg, presidente do comité do Prémio Nobel de Literatura.

Europa – Em 1944, o sacrifício dos soldados americanos desembarcados na Normandia foi determinante para a derrota do nazismo e fixação da paz e da democracia na Europa. Os EUA foram, então, os salvadores, hoje, constituem a pior ameaça.

Almaraz – O acidente ocorrido no dia 9, na central nuclear de Flamanville, em França, é razão adicional na luta do Governo português contra a obsoleta central espanhola, fora de prazo e com perigosos antecedentes, e o cemitério de resíduos aí previsto.

IVG – O referendo de há 10 anos permitiu a despenalização. Os direitos individuais não deviam ser referendados, mas foi a via que permitiu esse avanço civilizacional. Hoje, há menos abortos, menos reincidência e sem mortalidade materna. Valeu a pena.

Coreia do Norte – A demência desta monarquia comunista é perigosa para o mundo e trágica para o seu povo. Enquanto se morre de inanição e se transforma a população em autómatos, lançam-se mísseis para iludir as vítimas da ditadura e assustar os vizinhos.

CGD – A disputa política é condição essencial das democracias, e nenhum partido pode reivindicar o monopólio do patriotismo, mas há interesses nacionais que deviam levar a ponderação às direções partidárias que legitimamente competem pelo poder.

Dívida soberana – Após a crise mundial de 2008 atingiu em vários países valores que a tornam insustentável, Portugal incluído. A UE, com a proximidade de eleições nos seus países mais ricos, recusa-se a resolver o problema que a levará à irrelevância política.

Economia – O desempenho de Portugal, em 2016, com crescimento do PIB, redução do desemprego e aumento das exportações, é um excelente indicador, mas as taxas de juro dependem mais do Brexit, do BCE e da Reserva Federal dos EUA do que do Governo.

Reino Unido – Quando um país substitui a democracia representativa pela referendária, poucos eleitores votam o que se propõe, preferem votar contra quem foge às obrigações que devia assumir. E, assim, aconteceu o Brexit.

Democracia – É o regime preferível, e não é eterno. Os partidos populistas crescem por todo o mundo, incluindo a Europa. Não procuram ser uma opção dentro da democracia, apenas um mero instrumento para lhe pôr termo.

EUA – As eleições que levaram Trump à presidência não foram apenas a luta partidária, onde Hillary Clinton teve, aliás, mais três milhões de votos, mas uma disputa de polícias secretas e da espionagem informática, com possível manipulação e interferência russa.

Cavaco Silva – Em vez de escrever um livro, fez um rol de acusações ao carácter de um arguido à espera de julgamento, sem sentido de Estado, com delações (verídicas?) sobre as audiências entre PR e PM. É um caso inédito que revela o nível ético do autor.

Lobo Xavier – A violação de informação sigilosa da CGD e a divulgação por um vice-presidente do BPI, conselheiro de Estado, devia exigir ao BP e Ministério Público uma averiguação sobre o interesse próprio e eventual crime. A baixeza ética parece evidente.

França – A incerteza das próximas eleições presidenciais é angustiante e perigosa, e o resultado pode ser funesto, não só para a França, mas para a Europa e o Mundo, com os velhos modelos de inspiração fascista a ameaçarem as democracias.

Tony Blair – Reapareceu agora, em campanha contra o Brexit, ignorando-se se o move a imprudência da senhora May ou a ambição de regressar à política e branquear o crime da invasão do Iraque onde foi grande a desonra pessoal e maior a tragédia mundial.

Almaraz_2 – A queixa a Bruxelas decidiu o acordo. Portugal retira a queixa e Espanha desiste da lixeira nuclear. A CE anunciou a resolução amigável e o direito de Portugal reapresentar queixa. Quem se calou, diz que foi curta a vitória. De facto, urge encerrar a central.

Islão – O Ministério turco de Defesa suspendeu a proibição do uso do véu islâmico por mulheres das Forças Armadas. Contra a laicidade, permite-se primeiro; depois impõe-se; por fim, prescinde-se das mulheres. O califado e a sharia são o objetivo de Erdogan.

Sudão do Sul – O país africano, rico em petróleo e, sobretudo, em violência, tem pelo menos 100 mil pessoas em risco de morrerem à fome, uma catástrofe humanitária que levou a Unicef (ONU) a um lancinante apelo às organizações humanitárias.

Finanças – Perante provas que o incriminaram, Paulo Núncio renunciou à direção do CDS, mas não o iliba da cobarde culpabilização da Autoridade Tributária, nem isenta a ministra e o governo na ocultação da ida de 10 mil milhões de € para offshores.

Roménia – Há países que tentam conter a corrupção, mas, aqui, foi a primeira vez que se tentou despenalizar. A desfaçatez provocou uma onda de contestação que não se via desde a queda de Ceausescu, há 27 anos. O povo voltou às ruas de Bucareste.


Pena de morte – Com o orgulho de Portugal ter sido pioneiro na sua abolição, há 150 anos, o ministro Santos Silva exortou na ONU os países que a praticam a criarem uma moratória 'de facto' como primeiro passo para a "total abolição" da pena capital.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

O último pio das aves que já não levantam voo

Cavaco Silva, paladino da liberdade

A ânsia do poder e o oportunismo mórbido