A esquerda e a mulher

Surpreende como a Humanidade progrediu tanto, renunciando a metade de si própria, ao longo de milénios. Há quanto tempo poderia ter chegado onde se encontra, e como seria se a igualdade de género fosse, desde o início, um axioma?

Que raio de preconceito, que as várias religiões assimilaram, terá convencido uns brutos da pré-história de que a sua força física lhes permitia a prepotência sobre o sexo que os complementava e lhes assegurou a perpetuação da espécie?

Como é possível, ainda hoje, haver quem, nascido de pai e mãe, e tendo procriado filhos e filhas, reclame superioridade e admita discriminar progenitores ou descendentes, em função do sexo?

Sendo as coisas o que são e a evolução o que é, a mulher tem de ser muito melhor para poder competir com o homem. Foi talvez o estigma ancestral que a fez triunfar, pelo sacrifício e obstinação, em campos que o macho julgava privilégio seu. Foi assim que, da filosofia à ciência, da literatura à matemática, da política às artes, surgiu uma plêiade de mulheres que participam no avanço da Humanidade.

Longe de estar atingida ou consolidada a igualdade de género, parece irreversível, mas é útil a vigilância porque nada é eterno, e é mais fácil o retrocesso do que a progressão.

E por que raio havia de referir a mulher e a sua condição quando a intenção era falar da esquerda?

Bem, a esquerda é, na política, a mulher. Precisa de ser muito melhor do que a direita se pretender impor-se. Deve-se à esquerda o Renascimento, o Liberalismo, o Iluminismo, a República, a Laicidade e a Democracia, e é a direita que regressa sempre ao poder.

A direita é o macho tosco, que alicia trânsfugas, compra corruptos, avassala os meios de produção, submete os órgãos de comunicação e exerce a força. Tal como os camaleões, adapta-se ao ambiente e regressa ao poder depois de cada Revolução que a derruba.

Foram os progressistas que lutaram pelos Direitos Humanos, aboliram o esclavagismo e impuseram o ensino público para homens e mulheres, moldando a civilização europeia, mas são os herdeiros do fascismo, reciclados ou não, que ressurgem na Europa.

Em Portugal, são os herdeiros dos colonialistas, os ressentidos de Abril e os nostálgicos do salazarismo que, a cada tropeção da esquerda, real ou imaginário, reclamam o poder que julgam seu por um qualquer direito divino.
A esquerda tem de ser, na eficácia, generosidade e abnegação, a mulher que se impõe. pela superioridade ética e eficiência política, na vitória da inteligência contra a força. São delas a sabedoria, a força e a beleza de que o progresso e a justiça social carecem.

Ponte Europa / Sorumbático

Comentários

Monteiro disse…
Na minha opinião o Mundo é das mulheres e os homens são uma espécie de parasitas mas ao longo de milhares de anos a mulher tem vindo a humanizar o homem tendo ela feito a rotação da relação sexual de trás pela frente fazendo com que o acto sexual seja uma forma frontal de comprometimento em favor da relação pela protecção dos filhos. Estudos recentes têm comprovado que a mulher é mais ousada que o homem pela transformação social e é a mulher que em última análise incita o homem à revolta e a não se subjugar à injustiça social.
Como forma interpretativa das forças da natureza a religião acentua a fraqueza que os homens, em especial as mulheres, sentem perante o desconhecido e a morte e foi-se desenvolvendo nas sociedades primitivas e transformou-se numa forma de opressão espiritual sob o domínio de castas de sacerdotes que levaram à consolidação da escravatura no antigo Egipto.
Mas a grande libertação do Homem só será uma realidade numa sociedade justa onde desapareça a exploração do homem pelo homem.
Manuel Galvão disse…
Para mim os homens são em geral (em média) iguais às mulheres.
Os homens fortes que se impõem às mulheres pela força, conseguem dominar as mulheres fracas. Mas não as fortes. Mas não aquelas que dominam as artes da manha e da manipulação. Essas ganham-lhes aos pontos!
As mulheres fortes,que dominam as artes da manha e da manipulação, impõem-se aos homens fortes e também aos homens fracos, pela sua arte.
Daí que, em média, os homens sejam iguais às mulheres. Com ligeira vantagem, para as mulheres, no campo da dominação.
A ideia "politicamente correta", que as mulheres devem evoluir no sentido de serem iguais aos homens é um preconceito da sociedade anglo-sexônica.
Os homens devia amar ser homens e as mulher, mulheres. Deviam isso sim aspirar a complementar-se, arranjando compromissos que os fizessem viver em paz.

Mensagens populares deste blogue

O último pio das aves que já não levantam voo

Cavaco Silva, paladino da liberdade

Efeméride – 30 de outubro de 1975