Carta a Salazar nos 40 anos do seu passamento

Meu velho ditador:

Se pudesses ouvir, claro que não podes, e tu sabias que não havia vida para além da que tiveste, ouvirias o clamor das famílias dos que sofreram em Caxias, Aljube, Peniche, Tarrafal, S. Nicolau ou Timor.

Faz hoje 40 anos que morreste com 40 anos de atraso. Alguns fascistas ainda te evocam com nostalgia. Há sempre alguém que recorda um crápula, os que não têm memória ou os que odeiam a liberdade. Acontece o mesmo com Estaline, Mao, Franco e Mussolini, este mesmo, de quem tinhas uma foto na tua secretária de trabalho.

Tu não tinhas coração, eras um hipócrita abrigado à sombra de uma Igreja que protegeu todos os fascismos, um facínora que se escondia atrás da polícia política que aprendeu a torturar na Alemanha nazi, um demente com horror a eleições, pavor ao progresso e aversão ao povo. A censura era o teu colete anti-bala e as polícias a guarda pretoriana.

Viveste a obsessão dos medíocres e conseguiste tornar-te ainda mais vil com a mania do poder que exerceste com violência, enquanto a PIDE assassinava e os esbirros aturdiam um povo que amordaçaste com a censura, o analfabetismo, os tribunais Plenários e uma multidão de cúmplices de todas as idades e condições.

A guerra colonial foi uma paranóia pessoal que levou a morte a centenas de milhares de pessoas. Ainda hoje não se fala dela, por remorso uns, por vergonha outros, quase todos por um trauma que ficou de 13 anos da guerra injusta, inútil e criminosa.

Há quem deseje minimizar os crimes, dizendo que ignoravas que a PIDE assassinou Humberto Delgado quanto atribuíste o crime ao Partido Comunista, ou José Dias Coelho, abatido na Rua dos Lusíadas, quando puseste a circular que se tratava de ajuste de contas entre membros do seu partido.

Eras um farsante, o tirano que nunca saiu do país, o carrasco do povo a quem negaste o acesso ao ensino e à liberdade. Evocar o 40.º aniversário da tua morte é lamentar que tenhas morrido impune, que tivesses à tua volta a corja de imbecis e cúmplices que iam ao hospital da Cruz Vermelha encenar reuniões do Conselho de Ministros para que pudesses crer que ainda eras o algoz vitalício da pátria que desonraste.

Da tua herança resta o medo e a cobardia, o atraso e o servilismo, o gosto pela delação e a memória dos crimes que cometeste. E a eterna gratidão a uma cadeira.

Comentários

avoema disse…
A escrita, os factos da carta são tão violentamnte reais que me doeu muito a sua leitura. Mas lembrar é preciso!
Joao Serrano disse…
"Eras um farsante, o tirano que nunca saiu do país..."
Um pequena nota histórica...Ele saío do país (discretamente) pelo menos uma vez para se encontrar com Franco (na Galiza). O nunca ter saido do pais foi mais um acto de propaganda do que uma realidade.
João Serrano:

O encontro com Franco foi em Badajoz.
Joao Serrano disse…
E outro foi na Galiza (desse não reza a história eu sei)Talvez apareça nos diarios privados, não tenho a certeza. Mas que ele foi á Galiza para se encontrar com Franco pelo menos é o que conta a minha avó. Sei tb que foi acompanhado pela D.Maria, que tratou em nome dela dos detalhes da viajem e a dormida no Minho.
João Serrano:

O encontro de Badajoz entre os dois ditadores está registado.

Do da Galiza não encontro referências mas a parte importante do post é a que se refere à ditadura que muitos se esforçam por branquear.

Não é o nosso caso.
septuagenário disse…
Este post é quase um catálogo das barbaridades salazaristas de 48 anos de interregno da nossa república.

E concordando com quase tudo, penso que não devia ser uma carta dirigida a Salazar.

Esta carta devia ser dirigida aos políticos que lhe sucederam.

Aos políticos, aos banqueiros, aos capitalistas e sindicalistas, aos jornalistas e juizes e a todos os «instalados».

A esta gente, pelo seguinte: porque uns são novos e nunca querem saber porque chegámos ao "botas", e outros são velhos, já se esqueceram porque caímos naquele «estado novo».

Porque a bandalheira actual, principalmente os banqueiros, faz-nos lembrar um pouco o Alves dos Reis. E este já foi julgado pelo Salazar.

Claro que isto não é mais que um pensamento trazido pelo post.
Caro Septuagenário:

Claro que o abutre de Santa Comba já não ouve, e os túmulos não abrem por dentro, mas esta «carta» é um pretexto para que os mais novos saibam.

Também concordo, em geral, com o que escreveu.

Mensagens populares deste blogue

O último pio das aves que já não levantam voo

Cavaco Silva, paladino da liberdade

Efeméride – 30 de outubro de 1975