Na morte de António Feio

O País perdeu um bom actor, um cómico de excelência e um cidadão de bem. Recordar o artista prematuramente desaparecido, após uma longa e dolorosa doença, é um acto de homenagem devido.

Pensar no que a televisão lhe fez, ela que tanto lhe devia, na forma torpe como exibiu a sua decrepitude inexorável, o seu sofrimento e a sua angústia, reviver a forma obscena como devorou em vida o cadáver que se pressentia, é sentir nojo por quem gosta de exibir a dor e o sofrimento, por quem não olha a meios para provocar as lágrimas e a piedade.

Os amigos servem para acompanhar na dor os que estimam, não exibem em público o seu sofrimento.

Há espectáculos que o pudor e o sentimento deviam evitar. António Feio morreu. Já se esperava. E não foi treta.

Comentários

binha disse…
Os meus parabéns! Até que enfim que alguém partilha connosco, e bem, o que sentimos na nossa família.
Obrigada!
binha disse…
Este comentário foi removido pelo autor.

Mensagens populares deste blogue

Goldman Sachs, política e terrorismo financeiro

Miranda do Corvo, 11 de setembro

Maria Luís e a falta de vergonha desta direita