Momento de poesia e luto

Poema para a Lídia… (*)


Nascer e morrer
são coisas de todos os dias
de uma banalidade
assustadora
e que escapa a todos os calendários
e às anotações nas agendas
mas eu já sei que vais morrer
e os olhos já me dóiem de cansaço…

Alexandre de Castro - Lisboa, 9 de Novembro de 2008

(*) A Lídia morreu hoje, 14 de Novembro, aos 48 anos de idade.

Comentários

Graza disse…
O meu respeitoso abraço com sentimentos.

Mensagens populares deste blogue

Goldman Sachs, política e terrorismo financeiro

Miranda do Corvo, 11 de setembro

Maria Luís e a falta de vergonha desta direita