O 2.º aniversário do 2.º mandato presidencial


Cavaco completa hoje dois anos sobre a sua tomada de posse depois de um discurso em que exonerou a postura de Estado e soltou o ódio que o corroía contra o PM da altura.

Debilitado com o caso das escutas que, segundo os analistas, não lhe deixavam margem para permanecer no cargo, num país com mais exigência ética e tradições democráticas, tem-se arrastado na clausura do Palácio de Belém sem visitar a casa de férias na praia da Coelha, uma luxuosa vivenda cujos detalhes da aquisição nunca quis explicar.

Angustiado com as contas que tem para pagar com as modestas reformas, depois de o anterior PM o ter obrigado a optar entre o vencimento de PR e as reformas, optou pelas últimas, arredondadas com as despesas de representação indexadas ao vencimento de que prescindiu.

Há quatro meses que leva uma vida sedentária, sem largar Lisboa nem a amantíssima Esposa, numa reclusão que se confunde com medo das multidões que não deixariam de o ovacionar ruidosamente.

Enquanto os seus amigos e antigos colaboradores passaram o fim de ano em frenéticos e deslumbrantes festejos brasileiros, salvo os que as pulseiras eletrónicas retiveram no lar, o PR arrasta o melancólico mandato enclausurado, sem que os portugueses vislumbrem se é a decadência que o atinge ou o medo de sair à rua.

Não são os dois anos passados que nos assustam, são os três anos que ainda faltam para o fim do mandato, que contribuem para o pânico dos portugueses que gostavam de vê-lo exercer com dignidade o cargo para que foi eleito.

Não há razões para festejos. A popularidade do Presidente é hoje motivo de apreensão, uma preocupação coletiva que só encontra paralelo na desconfiança que o seu Governo merece e no futuro que nos reserva.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Goldman Sachs, política e terrorismo financeiro

Miranda do Corvo, 11 de setembro

Maria Luís e a falta de vergonha desta direita