Tombuctu

Caixas vazias que guardavam manuscritos no Instituto Ahmed Baba, Tombuctu. 

As forças de intervenção no Norte do Mali libertaram ontem Tombuctu das mãos dos fundamentalistas islâmicos. Uma operação com uma imensa carga simbólica. link.

Esta cidade – Património da Humanidade – que alberga imensas preciosidades nasceu da confluência culturas songhai (primitivos conquistadores do actual Mali), tuaregue e árabe. Atingiu o apogeu nos séculos XV e XVI tendo-se convertido numa encruzilhada da ciência e cultura de raiz africana (pré-colonial) dominada pelo islamismo sufista (também africano).

Tombuctu, cuja fundação é praticamente contemporânea com os primórdios da nossa nacionalidade, foi erguida em pleno Sahel por tuaregues e tornou-se num importante centro comercial integrado nas rotas do sal e do ouro entre o vale do Níger e o Magrebe, e simultaneamente um centro de estudos e de reflexão bafejado pela tolerância étnica e, apesar da islamização que ocorreu por volta do século XII, religiosa. Será, por assim dizer, uma ‘Alexandria do deserto’.

Na antiga mesquita de Sankore hoje transformada em ‘Universidade’ existiam inúmeras ‘Faculdades’ que, para além dos estudos corânicos, ministravam o ensino de Humanidades, Gramática, Retórica, Lógica, Astrologia, Astronomia, História, Geografia, etc..

Recentemente foi instalado nessa árida cidade do deserto, com o apoio da África do Sul, o Centro de Documentação (Instituto) Ahmed Baba (que no séc. XVI-XVII foi um dos eméritos escolares de Sankore) onde se encontravam alguns manuscritos relativos à História da Península Ibérica, nomeadamente, textos sobre música andaluza. Existe o fundado receio que este notável centro de documentação tenha sido incendiado e vandalizado (ver foto) pelos fundamentalistas islâmicos na sua precipitada retirada de Tombuctu link; link, o que a confirmar-se constitui um dano incalculável ao património cultural africano e da Humanidade (em lastimável situação de perigo).

Comentários

soudocontra disse…
Convinha consultar este blog de notícias anti-imperialistas para saber ao certo o que se tem passado na quela zona de África:
http://www.internationalnews.fr/
soudocontra disse…
Este comentário foi removido pelo autor.
e-pá! disse…
No post colocou-se a tónica na importância cultural que 'impregna' a cidade histórica de Tombuctu.
Claro que, no campo político e no dos interesses económicos e financeiros, esta história do Sahel (e não só do norte do Mali) é um autêntico 'barril de pólvora'.

Mensagens populares deste blogue

Goldman Sachs, política e terrorismo financeiro

Miranda do Corvo, 11 de setembro

Maria Luís e a falta de vergonha desta direita