O Goldman Sachs e os colaboradores recrutados em Portugal

O banco que, entre suspeitas e factos provados, não teve escrúpulos com os lucros dos piores escândalos, desde a maré negra do México, à falência do Lehman Brothers e da manipulação das contas gregas, à crise do euro, é escrupuloso na escolha dos seus quadros.

O poderoso banco não enjeita quem possa levar-lhe competências e, sobretudo, agendas recheadas de bons contactos, logo que tenham passado no crivo de ex-membros da CIA, que elaboram dossiês sobre os futuros ‘trabalhadores’.
Por estranho que pareça, só António Esteves não teve militância conhecida no PSD.

- António Esteves, foi do Santander Negócios em Portugal até 1998, ano em que teve o convite da Merrill Lynch mesmo antes da entrada em vigor do Euro. Em 2007, quando surge a crise, a Merrill Lynch foi das primeiras afetadas e, em 2008, era convidado pelo Goldman Sachs. O convite, irrecusável, foi para responsável de todas as operações do nebuloso banco em Portugal, Itália, Espanha e Grécia.

- José Luís Arnaut, advogado, foi ministro adjunto de Durão Barroso, primeiro-ministro entre 2002 e 2004, e alto dirigente do PSD;

- António Borges (falecido) foi vice-presidente do PSD e incumbido por Passos Coelho de liderar a equipa que acompanhou, junto da Troika, os processos de privatizações, as renegociações das parcerias público-privadas, a reestruturação do sector empresarial do Estado e a situação da banca. De 1-2-2012 a 1-2-2013, António Borges recebeu 300.000 euros, fora o montante das despesas efetuadas nesse ano de contrato que foi, entretanto, renovado por mais um ano.

- Carlos Moedas, PSD, secretário de Estado adjunto de Passos Coelho e responsável pelas relações com a troika, agora em comissão de serviço como comissário da CE;

- Vítor Gaspar, PSD, ministro das Finanças de Passos Coelho e precetor de Maria Luís Albuquerque, como amigo do sr. Schäuble, conseguiu que o FMI se antecipasse;

- Durão Barroso, CEO em Londres, dispensa apresentações e maior infâmia.

O Goldman Sachs, só recrutou políticos da confiança de Durão Barroso e de Passos Coelho, isto é, do PSD, dos piores do PSD. Mistério!? Coincidências!?

Nem Luís Amado, tão do PSD, que foi MNE num governo PS!

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Os incêndios e a chantagem ao Governo

O último pio das aves que já não levantam voo

Cavaco Silva, paladino da liberdade