As sotainas atacam em Coimbra

Deixo aqui uma troca de comentários, na minha página de Faceboock, com o advogado meu amigo, Jorge Antunes:

Jorge Antunes – Carlos, vamos ter uma situação, aqui em Coimbra, em que a igreja mais uma vez vai tentar locupletar-se, com património do Estado, desta feita trata-se do histórico Café de Santa Cruz. A União de Freguesias de Coimbra, como é sua obrigação legal está a registar todo o património, que era das reunidas Juntas, de Sé Nova, Santa Cruz, Almedina e S. Bartolomeu, nesta conformidade, legalizou também o Café de Santa Cruz, porém a comissão da Fabrica da Igreja, entra com uma acção a reivindicar a propriedade, pois no seu entender foi esbulhada em 1910, com a implantação da República, pelo que pretender reaver essa propriedade. E esta!?...

Carlos Esperança – Deixas-me perplexo, Jorge Antunes. Peço-te para me manteres informado. Fico a dever-te esse favor. Abraço.

Jorge Antunes – Entraram já com acção reivindicativa, contra a União de Freguesias de Coimbra, contra as testemunhas, que em cartório declaram conhecer o café Santa Cruz, há mais de 50 anos como café, contra o elemento do executivo que outorgou a escritura. Na acção que ora intentaram apresentam testemunhas, 20, não podem apresentar mais e dentro as quais, aparecem nomes de dirigente de uma organização de classe de Coimbra, um responsável da edilidade, Municipal, que só lá está em consequência do voto do Povo, e um que foi colaborador da UFC e figura conhecida da Cidade, até há menos de dois meses.

Como é óbvio a UFC vai defender-se, em Tribunal, e pautar-se pela defesa da coisa pública, dentro dos princípios plasmados na constituição de 1976, da laicidade do Estado.

Mais cómico é a Igreja, colocar em alternativa a constituição do Café de Santa Cruz, em propriedade horizontal e ficarem com um primeiro que vêm utilizando e que não é da origem do edifício, mas que durante a ditadura foi tolerado e que têm acessos quer para a rua quer para a contígua igreja. Um monumento nacional em própria horizontal????, só falta querem o mesmo para os Jerónimos, enfim, estamos na luta e se houver bom senso o Povo não será expropriado deste bem. Pela nossa banda não atiramos a toalha ao chão.

Carlos Esperança – Surpreende que a Igreja católica tenho estado calada durante os 48 anos de fascismo sem reivindicar a posse. Agora, num Estado laico, a gula ensandeceu as sotainas.

Comentários

e-pá! disse…
Na 'onda fundamentalista' que se apossou da ICAR, com especial incidência no contexto imobiliário ( e suas tributações), não será de admirar que levem a senha das devoluções locais até à reclamação da reversão da Universidade de Coimbra que, em devido tempo, foi 'esbulhada' (é o termo usado nos preceitos canónicos) pelo Marquês aos jesuítas.
Ou, no âmbito nacional, e para gáudio dos inocentes e infiéis, porque não efectuar a devolução do Algarve aos mouros (que foram esbulhados pela dinastia de Borgonha e 'cruzados'), um pouco na linha do das reivindicações fundamentalistas, dos califados...

Estes apetites mundanos da ICAR são um pouco endémicos. Estou a recordar-me da mesquita de Córdova ...
celestemartins disse…
Permanece ainda, no nosso subconsciente, o medo com os fundamentalismos ancestrais inerentes, e é com esse condicionalismo que os "donos das almas", contam ! O cidadão rebela-se, mas tem "um motor com travões e marcha atrás" que funcionam, independentemente da vontade e em controlo remoto. São séculos de medos sedimentados em hábitos e tradições.
Eles sabem que perdem em juízo, até poderá eventualmente funcionar a usucapião. Andam a querer arranjar uma questão religiosa, querem ser perseguidos para se arvorarem em mártires.
brites disse…
copiam o Daesh!
os religiosos são todos iguais..

Mensagens populares deste blogue

O último pio das aves que já não levantam voo

Cavaco Silva, paladino da liberdade

Efeméride – 30 de outubro de 1975