O livro (Eu e os políticos), o autor (JAS) e o apresentador (PPC)

Que…

Que José António Saraiva, arquiteto que enveredou por projetos jornalísticos a soldo da direita, da pior direita, monárquico e amoral, resolva ganhar dinheiro como alcoviteiro, a revelar conversas pessoais e a vender a vida sexual de políticos a quem gosta de espiar pelo buraco da fechadura, apesar de crime, aceita-se pela decadência ética a que chegou.

Que a demência cívica o prive de entender o respeito que os mortos lhe devem merecer, para não lhes expor a sexualidade, verdadeira ou inventada, é próprio da leveza ética do autor do livro e da baixeza moral de quem o lê.

Que, depois de falhar como diretor do luminoso Sol e como jornalista, se transforme em vendedor de sexo saído dos canos de esgoto, em conversas privadas e sem a autorização dos seus interlocutores, escrevendo um livro, não é um problema para a literatura, é um caso de polícia.

Que quem foi primeiro-ministro, graças a indivíduos do estofo moral do autor, se preste a apresentar o livro, não faz um mero pagamento de favores ao cúmplice, faz um ato de proxenetismo a favor de um bordel sem alvará, onde JAS chafurdou.

Comentários

e-pá! disse…
Sobre JAS foi dito, por alguém, que como jornalista seria um mau arquitecto e como arquitecto um ainda pior jornalista (cito de memória).

Agora, reduzido à sua mortal insignificância, como arquitecto e jornalista ou vice-versa, pretende ressurgir como 'escritor de alcova'. Passou dos imaginários e exóticos factos políticos e dos alucinantes editoriais que gostava de criar e subscrever para consubstanciar-se num erótico (ou pornográfico?) coscuvilheiro que à laia de ‘escritor maldito’ dá à estampa um livro e naturalmente vai estampar-se (na praça pública e/ou nos tribunais?).

Na verdade, toda a ‘pornografia’, incluindo a literária, é uma ‘manobra de diversão’ alienante, ou seja, mais uma tentativa (existem múltiplas) de fantasiar o mundo ‘criado por e para alguns’, para distorcer o mundo real em que todos vivemos.

O facto de um ex-primeiro-ministro (que como eu não leu o livro) se prestar a divulgar a obra mostra: ou está a pagar 'favores' antigos, ou - o Pedro das redes sociais - é ‘pau para toda a obra’.

Um artigo de opinião publicado no DN sobre este assunto, intitulado ‘ O crime de José António Saraiva, assinado pela jornalista Fernanda Câncio, merece toda a minha concordância e julgo que deve ser lido e divulgado link.
Pedro Santos disse…
Os politicos que nos representam tem de ter decência, e quem não deve não teme.

Mensagens populares deste blogue

O último pio das aves que já não levantam voo

Cavaco Silva, paladino da liberdade

Efeméride – 30 de outubro de 1975