A canalhice não tem limites


Vieira da Silva é ouvido esta segunda-feira à tarde, no Parlamento, sobre o caso Raríssimas. O ministro do Trabalho, da Solidariedade e da Segurança Social vai prestar esclarecimentos sobre as suspeitas de gestão danosa na associação que apoia pessoas com doenças raras.

O governante foi vice-presidente da assembleia-geral da Raríssimas entre 2013 e 2015, função no âmbito da qual aprovou as contas da associação.»

Quem algum dia passou por uma associação e deu um pouco do seu tempo aos outros, sabe que o Presidente de uma Assembleia Geral preside à reunião da Assembleia que, entre outras decisões, aprova, ou não, as contas precedidas de um relatório do presidente do Conselho Fiscal.

Não se vê como possa responsabilizar-se o presidente, cujo nome não aparece, nem o do presidente do Conselho Fiscal, quanto mais o do vice-presidente.

Com que indignidade se conspurca o nome de um honrado servidor público neste ódio cego a um governo que retirou Portugal do pântano a que o PàF o conduziu?

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Os incêndios e a chantagem ao Governo

O último pio das aves que já não levantam voo