Os incêndios e a chantagem ao Governo

Ninguém é insensível à dor e ao luto dos que perderam os entes queridos, no inferno dos fogos, e os haveres na voragem das chamas, mas há abutres que continuam atraídos pelo odor dos cadáveres e exploração dos sentimentos, sem respeito pelos defuntos.

Curiosamente, ninguém pergunta aos autarcas o que fizeram para prevenir incêndios e o que falhou nos planos de proteção civil, que lhes cabia elaborar e executar; ignora-se a EDP, cujos fios de alta tensão atearam fogos; esquecem-se incendiários que a PJ filmou em flagrante; isentam-se os donos das matas das obrigações de limpeza. Há quem ganhe com a desgraça e capitalize danos, enquanto a direita procura incinerar o Governo nos fogos que espevita.

Deixemos repousar os mortos e as famílias fazerem o luto, que as filmagens impedem e a oportunidade de aparecer na televisão, com o PR, dificulta.

É altura de saber por que motivo não há quem peça a um juiz que permita o acesso aos seguros dos que os tinham; se há forma de punir quem, tendo seguro, se candidatou aos subsídios concedidos; se é permitido vender as casas feitas para quem não as habita, e se deviam ser reconstruídas outras, onde os ex-moradores não querem voltar.

O circo mediático e os partidos da direita, ansiosos por acusarem este Governo e inaptos para escrutinarem IPSS de direito canónico, caucionam oportunismos e desonestidades.

Sob o ponto de vista material chegam ecos de que só há beneficiários e de que a pressão mediática levou a construir casas onde apenas havia ruínas, já isentas de IMI, para além de terem – e bem –, sido dotadas de instalações sanitárias as casas que não as tinham.

Na tempestade de afetos, por entre ralis de beijos e gincanas de abraços, a repetição dos itinerários oculta e estimula o oportunismo que medra no húmus da desgraça. O decoro e o pudor deviam moderar as filmagens de missas, viagens e encontros nos locais que a tragédia mediatizou. A dor não deve alimentar vaidades e oportunismos e, muito menos, benefícios indevidos e obscenos.

Ontem, o presidente das CEP relembrou os incêndios, para exumar os cadáveres para a mensagem de Natal. Referiu os corpos carbonizados e esqueceu 13 mortos e 52 feridos esmagados, à saída da procissão, em 15 de agosto, por um carvalho paroquial da igreja do Monte, no Funchal. Omitiu os que se finaram porque Deus foi servido de os chamar, e lembrou os que morreram por incúria do Governo da República.

O PR, que, depois de regressar do Funchal, não consta ter rezado uma só novena pelos mortos da procissão, regressou hoje, em pio necrotropismo, a mais uma missa, a apelar aos portugueses para visitarem Pedrógão.

Ámen.

Comentários

e-pá! disse…
A publicação pelo JN de um ‘artigo natalício’ de Marcelo Rebelo de Sousa relembrando a tragédia dos incêndios e as suas terríveis circunstâncias link , coincidente com a tradicional mensagem de Natal do primeiro-ministro, é mais uma mostra da euforia interventiva, travestida de uma lengalenga afetiva, da exaltação solidária recorrente e maçadora, vinda do Presidente da República.

Ninguém acredita numa coincidência temporal entre este artigo de opinião e a mensagem de Natal do 1º. Ministro por mais explicações que venham a lume.
A sistemática permanência de Marcelo na ‘crista da onda mediática’, enquanto não produzir as habituais e desgastantes consequências da overdose, vai continuar a inquinar o ambiente político nacional por notória e permanente interferência com o espaço de outros órgãos de soberania.

Uma hipercinética e deambulante saga intervencionista do PR – passada a ‘naturalidade’ das primeiras impressões e reações – começa a ser deveras preocupante e poderá ser um sintoma de 'qualquer coisa' (encoberta).
Agostinho disse…
Antes de abalar, sempre digo
que a verdade e os juros
já não rendem
Ámen!

Mensagens populares deste blogue

O último pio das aves que já não levantam voo