CDS: ocultas e pias razões para esgrimir no Natal…

A mensagem de Natal do primeiro-ministro focou um dos caminhos para a segunda parte da legislatura: o emprego link. Ou seja, a qualidade do emprego. Desmontar os mecanismos de ‘flexibilização’ introduzidos pela deriva neoliberal do PSD/CDS desenhada à sombra da Troika tornou-se imperativo. Daí a asserção proferida pelo primeiro-ministro de que “…O emprego está no centro da nossa capacidade de conquistar o futuro”.
 
A estabilidade no terreno social, bem como a coesão nacional passam por este item. Melhorar as condições de empregabilidade, passa por erradicar a precariedade e alterar os níveis da retribuição salarial, drasticamente 'comprimida' durante o governo PSD/CDS. Mais, o estancar da sangria de jovens quadros que abandonaram o País (neste fatídicos 4 anos), bem como o estímulo para o regresso de (pelo menos) parte deles está diretamente dependente de alterações no quadro laboral e salarial. Alterações que se resumem numa frase: dignificar o trabalho.
 
O CDS - a reboque das associações patronais - nem quer ouvir falar disso e, pela voz do deputado João Almeida, mostra-se ‘inquieto’ link.
Finda a mensagem do primeiro-ministro o porta-voz do CDS saltou logo a terreiro veiculando as posições das associações patronais que vêm sendo expressas no quadro da concertação social: não mexer na legislação laboral. Perante um quadro laboral absolutamente pernicioso ao desenvolvimento e lesivo para os direitos dos trabalhadores, uma herança da troika, que a cúpula dirigente do CDS não enjeita, e sublinha-se - para o tecido empresarial – a necessidade de estabilidade como um bem inviolável, uma vaca sagrada (do neoliberalismo).
 
A estabilidade dos trabalhadores, das suas famílias e a defesa de um salário justo não cabe dentro das preocupações do CDS. Um acabado exemplo disso tem sido o constante anunciar, por parte da Direita, de que a subida do salário mínimo acarretaria, no imediato, um crescimento do desemprego. Ano após ano continua com a mesma argumentação recusando-se a olhar para a evolução do emprego em Portugal (após 2015).
 
Depois, o CDS na rua (pouco) e no Parlamento (mais ruidosamente), irá bramir, num contexto político mais geral, o espantalho da inexistência, por parte do atual Governo, de ‘reformas estruturais’. Ora, as alterações da legislação laboral serão, por ventura, uma das reformas indispensáveis já que é um dos fatores de acerto e equilíbrio na redistribuição da riqueza. Para o CDS esta redistribuição faz-se pela redução do IRC e, decorrente dessa benesse, são sempre anunciados exponenciais crescimentos dos investimentos (externo e interno).
 
Também para o CDS as empresas são consideradas aparelhos de produção ‘neutros’ que não pretendem aumentar exponencialmente os lucros à custa de várias motivações (designadas de ‘reestruturações’), entre elas, a redução de impostos (empresariais / IRC), a compressão dos salários e a facilitação dos despedimentos.
Segundo o CDS as empresas e os sacrossantos mercados livres são ‘máquinas filantrópicas’ em pessoa. Todavia, no seu ideário, as pessoas pouco contam e a ‘justiça social’ constrói-se à custa de migalhas que escorreriam do banquete do tecido empresarial. É a conceção de que “o sol não nasce para todos”.
 
A clivagem ideológica entre a Direita e a Esquerda mantem-se viva e atual. Esta será a razão última para que a ‘geringonça’ continue a existir e a funcionar.
O CDS tem mostrado inúmeras dificuldades em compreender esta nuance e prefere vociferar dislates na praça pública.

Comentários

Julio disse…
Simplesmente, detesto "mensagens de Natal"!
Colecionadas, dariam para livro com título "As Aldrabices Dos Santos".

Mensagens populares deste blogue

Insurreição judicial

Cavaco Silva – O bilioso de Boliqueime