Momento de poesia


Dissertação sobre a solidão (2)


Já há muito tempo

que não via os coelhos passarem

à porta da minha casa

quero que saibam

que é uma casa isolada

plantada no meio do campo

onde todas as sementes morreram

nunca mais ninguém entrou aqui

desde que deixei de acreditar

espero que se lembrem de me vir buscar

quando um dia morrer

prometo que não irei cheirar mal…

Alexandre de Castro

Comentários

Julio disse…
nunca mais ninguém entrou aqui
desde que deixei de acreditar

Porque não altura, ser livre pensador dava direito ao desprezo daqueles [menos humanos] que se julgavam filhos do deus de misericórdias! Poema lindo!
andrepereira disse…
Imprimam e enviem por fax para o Senhor Presidente da República. A sua estimada esposa pode declamá-lo.
Graza disse…
Belíssimo poema, com uma excelente imagem a complementá-lo.

Mensagens populares deste blogue

Cavaco Silva – O bilioso de Boliqueime