Uma "imagem de marca" desfocada... e deslocada!

A imagem que Cavaco Silva deixa aos portugueses, na sequência deste gravíssimo incidente de suspeição, em relação ao aparelho de Estado é a de um homem que vive atormentado por tabus (que o próprio cria) e não tem qualquer rebuço em deixar cair a vida política nacional num pestilento estado de podridão.

Hoje, decorridos 17 meses da abertura formal do incidente, que conheceu diversos episódios rocambolescos, envolvendo o seu assessor de Imprensa e um controverso director de um matutino (o jornal Público), os documentos vindos a lume, (nomeadamente encontros secretos, e-mails, etc.) conspurcam, irremediavelmente, a democracia.

A displicência do PR ao tentar postergar o cabal esclarecimento de uma manobra gizada entre o staff de Belém e um jornal que - não iludamos situações visíveis - se colocou numa trincheira de combate ao Governo (ressabiado após o “desaire” da aquisição da PT), não pode deixar de invocar o mais infame aproveitamento de uma situação iníqua, facto que, inelutavelmente, perturba a convivência democrática, da qual Cavaco Silva deve ser o guardião e o garante.

Não há desinfestação possível para esta situação que não passe pela amputação do foco infeccioso. Quanto mais tarde pior.

Cada dia que passa, a gangrena que, insidiosamente, vai minando as instituições democráticas e destruindo a confiança institucional, avança.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Divagando sobre barretes e 'experiências'…