Barack Obama e Raúl Castro:

O gesto político mais significativo das cerimónias fúnebres de Nelson Mandela parece ter sido o aperto de mão entre Barack Obama e Raúl Castro, gesto inesperado e inédito, que poderá ser o princípio do fim de um bloqueio ilegal, que só tem feito sofrer o povo cubano e facilitado a perpetuação dos seus líderes.

Nos EUA, os falcões apressaram-se a desvalorizar o gesto, tal como o antiamericanismo primário, indiferentes ao cumprimento das resoluções da ONU e, sobretudo, à felicidade a que o povo de Cuba tem direito.

Não acreditar na genuinidade do aperto de mão entre aqueles dois homens, que não foi um mero gesto protocolar, é duvidar dos progressos futuros a que pode dar origem, da confiança entre dois países, que é preciso restabelecer, e assistir à negação do legado de Mandela por quem o exalta.

Que diabo! Acabaram os dois blocos antagónicos e esvaíram-se logo os sonhos de paz e do fim da ameaça nuclear, submetidos ao pensamento único do capitalismo selvagem e aos riscos de conflitos disseminados pelo mundo.

Por que motivo não concedemos à harmonia entre os povos, e à paz, uma oportunidade?

Comentários

Mensagens populares deste blogue

O último pio das aves que já não levantam voo

Cavaco Silva, paladino da liberdade

Efeméride – 30 de outubro de 1975