A Guiné, o ministro e o PR de alguns portugueses

Um dia, o conselheiro do presidente dos EUA chamava-lhe a atenção para o facto de o ditador de turno da Nicarágua, seu protegido, ser um filho da puta. O Presidente, respondeu-lhe: «mas é o nosso filho da puta».

Lembrei-me deste caso, cujos termos crus são verídicos, para referir a onda de exaltação nacionalista que grassa na Internet, em defesa de Cavaco Silva, a quem um membro do cartel da droga de Bissau, alcunhado de ministro de Estado e da Presidência do governo de Bissau, desvalorizando o grave incidente que envolveu o avião da TAP, apelidou de infantil a forma como Cavaco reagiu ao caso.

Note-se que apelidou de infantil a forma e não o autor, que defendeu como pôde o antro que não consegue tornar-se Estado, que fez o que podia, contrariamente ao PR e ao PM portugueses quando vergonhosamente se calaram perante a chantagem ao TC e, no caso do PM, crocitando em uníssono.

Curiosamente quem agora se indigna contra um membro de um governo a fingir, contra a criatura cujo português faz inveja ao de alguns membros do governo que o PR impôs ao País, são os que permaneceram silenciosos contra os ataques de Durão Barroso e de Christine Lagarde, estrangeiros que chantagearam o TC e o povo português.

E são também os que não leem os jornais europeus e desconhecem como se referem ao Governo português e ao próprio PR.

Ah! já sei. O guineense é preto e Barroso e Lagarde são, como o ditador referido: «são os nossos…».

Comentários

septuagenário disse…
Em questões internacionais deviamos ser «mais nós».

Em questões internas que seja tudo ao molho,como quem diz, cada um para seu lado.

Mensagens populares deste blogue

Goldman Sachs, política e terrorismo financeiro

Miranda do Corvo, 11 de setembro

Maria Luís e a falta de vergonha desta direita