A Ucrânia, a anarquia e o futuro

Não me sinto capaz de tomar partido na rebelião popular, atiçada do exterior, num país em ruínas. A pobreza extrema, uma agricultura destruída no que foi o celeiro da Europa, a divisão étnica e a tradição autoritária e antidemocrática estão na origem de confrontos, que ameaçam continuar, para vingar o sangue já derramado.

Não vale a pena, agora, recordar as matanças e as migrações forçadas por Estaline que alteraram a matriz étnica e cultural do segundo maior país da Europa.

O que não entendo é a explosão do nazismo em apoio aos partidos que anseiam a união à Europa, como se a Rússia fosse um país africano e os nazis indefetíveis partidários da União Europeia. Também não entendo o apoio de alguma esquerda às forças pró-russas como se Moscovo fosse um soviete dirigido pelo comunista Ieltsin.

A disputa entre potências capitalistas, com a Rússia a ser alvo do apetite da Nato, pode provocar uma hecatombe e debilitar o poder russo. De certeza, altera-se a correlação de forças, com a NATO contida nos limites atuais, uma derrota para a Europa que serve de ponta de lança aos EUA, ou expandida até à fronteira russa, com a derrota de Moscovo.

É curioso ver comunistas a defenderem o poder sufragado em eleições e os reacionários a apoiarem histericamente a insurreição e atos de justiça popular, posições corajosas de quem está longe do conflito.

Debilitar a Rússia é acender o rastilho das antigas repúblicas soviéticas onde o fascismo islâmico pretende a desforra e a sharia, enquanto a Turquia se orienta, a recitar o Corão, em direção a Meca e as primaveras árabes mergulham na anarquia e nas cinco orações.

Com os erros da meteorologia euro/americana a anunciar primaveras árabes, temo que a Rússia fique à mercê de irrefreáveis hordas islâmicas que, no ocaso da civilização árabe, exacerbam a devoção e a demência.

E não haverá inocentes.

Comentários

e-pá! disse…
O que está (ainda) a ocorrer na Ucrânia recorda inevitavelmente as 'primaveras árabes'.
O percurso é ligeiramente atípico, quiçá diferente, mas os ingredientes estão lá todos.
De novo, pudemos observar uma espécie de 'insurreição purificadora' no interior da própria Direita que decorre sob um complexo manto de exacerbações nacionalistas (ou ultra nacionalistas) pouco claras.
Os 'nacionalismos revolucionários' são extremamente perigosos e a Europa sabe-o.
Ou trata-se da reedição de um processo de 'balcanização' (um século após da I Guerra Mundial)?
José Auzendo disse…
Estou convosco. Tudo isto existe, tudo isto é triste, tudo isto é estranho. E perigoso, como bem assinalam.
José Auzendo disse…
Este comentário foi removido pelo autor.
Ricardo Amaral disse…
Tudo previsto e anunciado no livro "Guerras Contra a Europa" de Del Valle.
septuagenário disse…
Os europeus e seus vizinhos são mesmo muito ordinários criminosos e historicamente sanguinários.

Dizia um eurodeputado grego à TSF que os portugueses tínhamos muita sorte de não termos vizinhos.

Só que o grego não sabe quem somos nós e do que somos capazes.

Chegamos a morder o próprio rabo.
Boa piada, Septuagenário!!!

Mensagens populares deste blogue

O último pio das aves que já não levantam voo

Cavaco Silva, paladino da liberdade

A ânsia do poder e o oportunismo mórbido