O novel patriarca de Lisboa e a coadoção por casais do mesmo sexo

O Dr. Manuel Clemente, ex-bispo do Porto e atual patriarca de Lisboa, à espera do fim do prazo de validade cardinalícia do ex-patriarca Policarpo, para obter o devido barrete, entende que «os direitos das minorias devem ser referendados».

Não se trata de certezas metafísicas mas de opiniões pias. Certamente que foi o informal referendo à opinião pública que levou, perante aplausos devotos, os judeus e as bruxas à fogueira inquisitorial. Os direitos das minorias, sujeitos ao poder arbitrário das maiorias, podem erradicar vegetarianos, diabéticos, carteiristas, amola-tesouras, clérigos, leprosos ou corcundas.  

Sendo a liberdade religiosa um direito que permite o culto às minorias eu imagino o que resultaria de um referendo sobre o direito das Testemunhas de Jeová, de Adventistas do 7.º Dia, mórmons ou dos mais minoritários, budistas Zen, a residirem em Portugal.

Estando em causa a adoção comum por casais do mesmo sexo onde, legalmente, o filho de um já coabita com os dois cônjuges, não se percebe se é o direito à família que Sua Excelência Reverendíssima quer pôr em causa ou se deseja a anulação da paternidade, biológica ou por adoção, ao cônjuge que a exerce.

Se os direitos individuais passarem a ser objeto de referendo, como pretendeu o líder da madraça juvenil do PSD, a mando do PDG virtual do partido, iríamos ser convocados a pronunciar-nos sobre o direito à adoção por chineses, berberes, esquimós ou mongóis, com o beneplácito do patriarca de Lisboa.

De repente lembrei-me de Camilo, que chamou a Frei Gaspar da Encarnação “uma santa besta”, epíteto que nunca teria a ousadia de atribuir a um prémio Pessoa: em primeiro lugar, porque não o conheço, em segundo, porque poderia ser injusto e, finalmente, o Sr. Patriarca pode não ser santo.


Comentários

Mensagens populares deste blogue

O último pio das aves que já não levantam voo

Cavaco Silva, paladino da liberdade

A ânsia do poder e o oportunismo mórbido