As frases

(Freud no Cloliseu)

«Quando o resgate chegou, o País tinha 94% de dívida pública. A troika falava de um teto máximo de 114, 9%. Ora, em menos de três anos, a dívida explodiu mais de 35 pontos percentuais, ultrapassando mesmo em 15 pp o limite antecipado pela troika. Entre 2000 e 2007, a dívida aumentou 17 pp. Era o tempo do "despesismo". Com a austeridade, que visa controlar e reduzir, a dívida cresceu a um ritmo quatro vezes superior!»

VIRIATO SOROMENHO-MARQUES Ontem, DN

Comentários

Manuel Galvão disse…
"Soberano é aquele que decide sobre o estado de exceção", Carl Schmitt, em Politische Theologie (1922).

No nosso caso, a troika.
e-pá! disse…
A 'questão da dívida' é, no contexto da crise política e financeira em curso, a espada de Dâmocles que, por largo tempo, pairará sobre as democracias europeias.
A dúvida que persiste diz respeito aos resultados. Mas 'ventinho ao Norte, ventinho ao Sul' será difícil contornar ou dominar a 'tempestade' que se anuncia.

Mensagens populares deste blogue

O último pio das aves que já não levantam voo

Cavaco Silva, paladino da liberdade

A ânsia do poder e o oportunismo mórbido