Troika, 11ª. avaliação: gato por lebre….

Paulo Portas anunciou o fim da 11ª. avaliação da troika ao programa de resgate que foi imposto ao País com a frase: ‘esta lebre está corrida’… link
Bem, do conteúdo da palestra, nomeadamente de algumas hesitações e dos frequentes engulhos que entremearam a sua comunicação, ficou a sensação de que o dito senhor veio vender gato por lebre.
 
A confusão é enorme. O governo afirma, pela voz do vice-primeiro-ministro, que “em matéria laboral o ajustamento salarial já foi realizado” mas deixou para trás que neste momento ainda decorre um processo de flexibilização (um eufemismo para ‘facilitação’) dos despedimentos no quadro da chamada ‘justa causa’. Essa medida poderá esconder um insidioso processo de ‘esmagamento’ de salários, isto é, permitirá despedir ‘velhos’ trabalhadores melhor remunerados e substitui-lhos por ‘novos’ com salários inferiores. Um outro meio será extinguir postos de trabalho para abrir 'mini-jobs’ com salário abaixo do ordenado mínimo.
 
Depois, vem um chorrilho de novas previsões sobre crescimento económico, taxa de desemprego, exportações e, finalmente, sobre o investimento.
E o palavroso ministro resolve ‘irrevogavelmente’ tomar a nuvem por Juno e daí para a frente parece que as projecções (moldadas à vontade de acertar o programa de resgate com sucessos) passam a ser incontestadas ‘realidades’, para esgrimir na praça pública e nos actos eleitorais a caminho.
 
Finalmente, um ruidoso silêncio sobre a tramitação de medidas extraordinárias para definitivas, i. e., os insuportáveis ‘cortes’.  É de supor que estes aspectos possam ter sido relegados para uma última avaliação. Porque começa a pressentir-se que nessa matéria de difícil enquadramento constitucional (a sua aceitação pelo TC assentou na transitoriedade das medidas) a ‘maioria’ sente-se descalça e procura desesperadamente um acordo com o PS. O que a acontecer será a revenda de gato por lebre.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

A ânsia do poder e o oportunismo mórbido

Nigéria – O Islão é pacífico…

Macron e a ‘primeira-dama': uma ‘majestática’ deriva …