João Paulo II (JP2) – o santo encomendado


A devota adulação e o indulgente esquecimento dos defeitos de JP2 facilitaram a Bento XVI a reabilitação que a Comunhão e Libertação, os Legionários de Cristo e o Opus Dei desejavam. Estas seitas pouco estimáveis lembram – não sei porquê –, a PIDE, a Legião e a Mocidade Portuguesa, na defesa do salazarismo e da sinistra figura inspiradora.

O funeral de JP2, a instigar a rápida canonização, “santo súbito”, foi encenado por um padre polaco e outros membros da igreja do seu país natal, que distribuíram os cartazes e orquestraram os slogans. 

JP2 viu em Pinochet e na dedicada esposa um «casal cristão exemplar», ministrou-lhes, embevecido, a eucaristia e apresentou-se à varanda do Palácio La Moneda com o frio torcionário, para ser ovacionado pelos devotos, sem se lembrar de que, naquele palácio, se tinha suicidado Salvador Allende, presidente eleito, deposto pelo seu amigo golpista.

 JP2 intercedeu pela libertação de Pinochet quando foi detido em Londres, por crimes contra a humanidade, por ordem do juiz Baltasar Garzon, usando argumentos jurídicos. Pediu a sua libertação, alegando que os crimes foram cometidos quando gozava da imunidade de Chefe de Estado, mas nunca censurou a sentença islâmica que condenou à morte Salmon Rushdie ou intercedeu por este. 

JP2 não se limitou a proteger as ditaduras fascistas sul-americanas, apoiou o derrube de governos democráticos de esquerda numa cegueira insana de quem confundiu ditaduras estalinistas com o socialismo resultante de eleições e sujeito à alternância democrática.

Em 23 de Fevereiro de 1981, quando o grotesco tenente-coronel Tejero Molina tentou restabelecer a ditadura, deu-se a coincidência de estar reunida a Conferência Episcopal Espanhola. Nem o Papa, nem os bispos, nem o seu núncio apostólico, condenaram a tentativa de golpe de Estado, limitando-se a recomendar piedosamente, aos espanhóis, a oração, irrelevante para o fracasso do golpe.

Em relação à SIDA o defunto Papa portou-se como troglodita. Não se limitou a alvitrar a castidade, foi cúmplice da mentira que atribuía ao preservativo «minúsculos orifícios» permeáveis ao vírus e promoveu a difamação sobre a eficácia em países africanos onde o flagelo estava descontrolado. O arcebispo de Nairobi foi mais longe, atribuindo aos preservativos responsabilidade pela SIDA, sem ter sido desautorizado pelo Papa, apesar do ruído mediático feito à volta da estulta declaração.

Muitas violações de crianças se teriam evitado se em vez do silêncio cúmplice, exigindo discrição à ICAR sobre os casos de pedofilia de padres americanos, apesar das repetidas denúncias que lhe foram feitas, tivesse mandado comunicar os casos às autoridades dos EUA, evitando a recente censura, dura e inédita, feita pela ONU ao Vaticano.

João Paulo II era fã de Josemaria Escrivá, admirador do genocida Francisco Franco, que mandou fuzilar centenas de milhares de adversários, sem nunca ter faltado à missa ou à eucaristia. Não admira a pressa com que JP2 elevou a santo o indefetível franquista. É justo lembrar os factos no dia de hoje, 23 de fevereiro, 33 anos após a tentativa de golpe fascista em Espanha.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

A ânsia do poder e o oportunismo mórbido

Nigéria – O Islão é pacífico…

Macron e a ‘primeira-dama': uma ‘majestática’ deriva …