Carta para Giordano Bruno

Meu caro Giordano Bruno:

Mesmo para um frade dominicano, habituado às maldades da ordem e à substituição da inteligência pelas orações, foi terrível suportar sete anos de julgamento. Uma coisa é a reclusão voluntária no convento, na convicção de que um ser imaginário se rebola de gozo com o silêncio e as súplicas, para lhe reservar um lugar vitalício no Paraíso; outra, é a prisão nas masmorras da Inquisição, a antevisão permanente da fogueira que espera o réprobo, a sindicância perversa à inteligência, as ameaças pias e o convite à retratação.

Nos finais do século XVI, pensar era heresia, redigir livros profanos, uma abominação, e ter ideias, o caminho mais rápido para a fogueira e o Inferno.

Foste acusado de blasfémia, conduta imoral e heresia porque os teus livros divergiam da teologia dogmática e referiam doutrinas diferentes da filosofia e cosmologia que a Igreja católica ensinava.

O teu crime era a ciência a que te dedicavas e para os néscios que te julgaram, incapazes de imaginar que havia outros mundos para lá da sua ignorância, só restava acusarem-te de sustentares opiniões contrárias à fé católica.

Depois, para fingirem que sabiam o que diziam, acusaram-te de coisas tão graves como
opiniões contrárias à fé católica, sobre a Trindade, a divindade de Cristo e a encarnação, de dúvidas sobre a virgindade de Maria e os sinais cabalísticos da consagração da hóstia que a transformam em corpo e sangue de Cristo, como qualquer cego claramente vê.

O que mais os ofendeu foi a tua premonição de que havia mais mundos e, sobretudo, de que era infinito o Universo – como sabias –, e os laivos de panteísmo que faziam ranger os dentes às cavalgaduras pias que, por isso, te acusaram de magia e adivinhação.

Giordano Bruno, por maior raiva que o Vaticano alimente pela estátua que os maçons te erigiram, por mais esforços que tenha feito para a demolirem, ela é destino obrigatório dos livres-pensadores, enquanto os santos enegrecem desprezados com o fumo da velas.

Hoje, 414 anos após aqueles pulhas te queimarem, por todo o mundo há quem despreze as orações e recorde a frase com que uma vez mais desafiaste a Igreja quando os sádicos inquisidores te condenaram à fogueira: «Talvez sintam maior temor ao pronunciar esta sentença do que eu ao ouvi-la».

Sábias palavras, inexcedível coragem, Giordano Bruno.

Comentários

e-pá! disse…
O que verdadeiramente parece estar por detrás do pensamento deste monge, melhor será designá-lo por filósofo, é a imensa, extraordinária e inovadora força da 'Renascença' que, hoje sabemos, mudou a radicalmente a Europa (revolucionou-a), remetendo para a memória histórica o período medievo (ou o 'Velho Mundo').
e-pá! disse…
Este comentário foi removido pelo autor.

Mensagens populares deste blogue

A ânsia do poder e o oportunismo mórbido

Nigéria – O Islão é pacífico…

Macron e a ‘primeira-dama': uma ‘majestática’ deriva …